30 dicas para sair do corpo

09:00:00 Administrador 4 Comments


Em certo nível evolutivo a projeção é ferramenta indispensável. Ser um projetor consciente, a rigor, não torna ninguém diferente dos demais, pois todos somos seres multidimensionais. Por ser um fenômeno neutro, as dicas a seguir são indicadas as pessoas bem intencionadas que almejam a melhoria da própria maturidade ao invés de ser utilizada por mentalidades juvenis de baixo nível ético (cosmoético).

FASE PREPARATÓRIA:

1. Deixe seu quarto otimizado. O investimento projetivo começa pela alcova e entre os dificultadores mais comuns está a base física despreparada. O ideal é não ter nenhum aparelho eletrônico no ambiente, ou seja, nada de televisão, aparelho de som ou computador. Também não se recomenda camas, colchões e travesseiros inadequados e nem tão pouco objetos evocativos. Um ponto muito importante é jamais discutir ou levar conflitos para o quarto, pois nesse local deve prevalecer apenas a sexualidade (carinho) e a imobilidade (projeção). Exteriorize muita energia para blindar positivamente sua base tornando-a um porto seguro das próprias experiências.

2. Aprenda a ficar em tábula rasa. Ao deitar, a primeira postura projetiva é a tábula rasa, ou seja, o ato de limpar os pensamentos ou anular as preocupações. Quem inicia sua fase projetiva lembrando contas a pagar, afazeres domésticos, problemas familiares ou outros temas acaba anulando a lucidez extrafísica. Uma característica do projetor veterano é a mente educada e a concentração tranquila para sentir e registrar suas vivências. Deixar a pensenidade límpida não é uma tarefa tão difícil e com prática o hábito pode ser instalado. Quem deixa o corpo com ideias desorganizadas tende a entrar no extrafísico com pensenes turvos. Na projeção, aquietar-se é fundamental.

3. Tenha claro um alvo projetivo. O que o motiva a sair do corpo? Escolha poucos alvos sobre que você quer ver, fazer ou entender e coloque como objetivo a ser alcançado. Sem metas, qualquer coisa serve. Entretanto, opte por alvos projetivos realistas e razoáveis. É ingenuidade um projetor principiante focar em reurbanização, dimensão mental, Serenões, acesso a paraprocedência, entre outros. Priorize inicialmente ações mais simples e que sejam, ao mesmo tempo, automotivadoras. Quem busca chegar a condição projetiva profissional deve ter pelo menos uma agenda extrafísica (marcação dos alvos a serem atingidos) e um diário projetivo (escrita das vivências pessoais). Você é um viajante sem itinerário?

4. Escolha uma técnica projetiva agradável a você. O ideal seria que todos deitassem e somente pela intenção conseguissem sair do corpo. Infelizmente, só isso não basta para quem está se desenvolvendo. Escolha uma técnica projetiva que você sinta-se satisfeito em praticar e utilize-a por pelo menos 30 dias. Depois desse período, analise se é um procedimento eficiente a você ou se precisa de adaptações. Por mais que uma técnica seja favorável a sua personalidade, ainda assim é fundamental a prática e o treinamento. Não basta ficar vagando displicentemente pelos métodos. É preciso escolher uma técnica e se posicionar. A chave projetiva pode ser ajustada ou desajustada quanto a autorrealidade.

5. Ative as energias do esplenicochacra. A princípio, a ativação de todos os chacras é importante para a projeção consciente. No entanto, o esplenicochacra (chacra vinculado ao baço) está relacionado diretamente com a projetabilidade e sua defasagem ou ativação pode ser decisiva quanto aos resultados obtidos. Esse importante vórtice energético, que ainda tem a função de distribuição das energias por todo corpo, ainda é tratado com descaso pela maioria das pessoas. Procure analisar se, no seu caso, é conveniente trabalhar com o esplênico ao deitar, durante o dia ou mesmo usar outro procedimento. Quais as utilidades práticas já obtidas com o esplenicochacra?

6. Identifique sua aura projetiva. O termo aura projetiva não tem relação com a aura energética ou com a visualização de cores em um campo específico. Nesse sentido, aura é um termo usado para expor um conjunto de sinais e sensações que precedem, nesse contexto, uma projeção. Em seu caso, o que precede uma vivência fora do corpo? Exemplos: a ativação de certo chacra, aragem no ambiente, zumbido no ouvido, vibrações localizadas, entre outros. Ter clareza sobre esse processo é diferencial singular e traz projeções mais fáceis, lúcidas e padronizadas. Você já identificou as sensações pessoais e fenômenos precursores ante as projeções?

7. Durma um pouco e acorde na madrugada. Uma reclamação comum dos candidatos a projeção é não conseguir bons resultados por deitar cansado e com sono. Para essas condições, geralmente ajuda o modus operandi de deitar querendo dormir, sem pensar na projeção, e acordar horas depois, mais descansado, para aplicar técnicas projetivas. Ao acordar, se possível, ir deitar em outro cômodo potencializa mais o método. Dessa forma, descartam-se as desculpas e as dificuldades criadas pelo corpo físico (soma). Outro ponto favorável é o silêncio da casa e a tranquilidade do ambiente familiar. Você se dedica à vida multidimensional ou é daqueles que desiste fácil?

8. Aumente o tempo da hipnagogia. Na projetabilidade, para quem deseja ter mais desenvoltura na decolagem lúcida, o ideal é aumentar o tempo da hipnagogia. Ou seja, ficar mais tempo no estágio intermediário entre o sono e a vigília onde não se está totalmente acordado e nem tampouco dormindo. Nesse período de predomínio das ondas alfa (quanto ao cérebro) é uma fase muito rica e fértil para onirismos e visões alucinatórias mas também para o surgimento de diversos fenômenos parapsíquicos aos moldes de flashes retrocognitivos, clarividências viajoras, entre outros. Nesse processo, quem deita e “apaga” em segundos pode ter dificuldade quanto a autodecolagem. Quais os seus proveitos evolutivos quanto a extensão da hipnagogia?

9. Esteja aberto para consciências extrafísicas. Ao se dedicar a projeção lúcida podem surgir espontaneamente consciexes especialistas e veteranas no assunto que vão interagir e influir em você. Naturalmente, essa conexão é positiva mas, pelo medo e inexperiência, a própria pessoa pode se perturbar e interromper a prática. Estar aberto ao amparo é permitir receber energias, ser “tocado” e “puxado”, realizar psicofonias, receber inspirações ou mensagens, entre outros. Estar fechado é, ao menor sinal de influência externa, pensar algo como: “me deixe sozinho”. Você está disponível para receber auxílio interdimensional? Está mesmo?

10. Desenvolva o transe projetivo. Procure observar e desenvolver o transe projetivo onde pode ocorrer, por exemplo, a diminuição considerável da respiração, do metabolismo, da percepção do tempo, torpor ou paralisia do corpo, sensação de peso ou leveza, cargas energéticas fluindo pelo corpo, entre outros. A maneira como responder a esse estado é fundamental quanto ao sucesso autoexploratório. Esse transe intenso ocorre no estado theta (ondas cerebrais) e ao sentir-se nessa condição permaneça calmo, com atitude positiva, permitindo quaisquer situações inusitadas, entregando-se ao momento e sem julgar nem avaliar a experiência. Você consegue entrar em transe de modo razoavelmente lúcido?


DURANTE A EXPERIÊNCIA:

11. Não se prenda a sentir a decolagem. A sensação de desencaixe do corpo humano é uma vivência marcante e inesquecível. Entretanto, nem toda projeção passa necessariamente pela decolagem consciente, pois muitos projetores ganham lucidez já extrafisicamente. É equívoco fixar-se com um pensene do tipo: “para ter uma projeção lúcida preciso sentir a decolagem”. A autoconsciência contínua, ou seja, a condição da lucidez permanente, de livre trânsito entre as dimensões sem qualquer alteração, é consequência de árduo trabalho pessoal e eventualmente factível em certas noites. Quem tem dificuldade de relaxamento, sentindo-se travado ao aplicar técnicas projetivas, deve analisar se não possui temperamento excessivamente controlador.

12. Olhe para seu corpo deitado na cama. Ao se projetar, uma ação fundamental é olhar para o próprio corpo deitado na cama. Esse evento singular é chamado de fenômeno da autobilocação e promove imenso impacto no indivíduo ao constatar, na prática, que sua consciência está além de matéria. Olhar para o corpo inerte chancela inúmeras responsabilidades multidimensionais e muitas pessoas, por diversas razões, não querem ver seu corpo ao estarem com alta paralucidez. No entanto, é inesquecível e imprescindível quanto à autocomprovação da vida fora da dimensão física e do quanto transcendemos a matéria. Você já passou por alguma autobilocação?

13. Afaste-se do corpo físico. Ao decolar, ou perceber-se lúcido no próprio quarto de dormir, afaste-se do seu corpo. Em função do cordão de prata, ocorre maior atração entre o soma (corpo) e o psicossoma que pode promover o reencaixe indesejável. Outro ponto é que o afastamento permite a sutileza das energias, pois o campo energético é bem intenso num raio de 4 metros. Como boa parte das pessoas fica inconsciente em pleno efeito beliche (com o psicossoma flutuando acima do corpo) não há nenhum incentivo ou motivação que predisponha gerar algum tipo de lucidez. Quem não se afasta extrafisicamente do próprio corpo com medo de perdê-lo ou morrer se condena ao “estado de coma biológico”.

14. Use comandos de autocontrole. O pensamento é a maior força de um projetor consciente. Em diversas situações, desde a decolagem até o final da projeção, é inteligente usar comandos de ordens mentais como “lucidez agora”, “aumentando as percepções”, “claridade já”, entre outros. Esse tipo de pensene imperativo promove maior qualidade e aperfeiçoamento das vivências extrafísicas seja onde e de qual nível for. O comando “vou lembrar disso”, durante a experiência, por exemplo, pode fazer total diferença no contexto rememorativo. De modo geral, não se deve ser mero expectador dos eventos multidimensionais e ter atitude é postura saudável. No intrafísico, você é o comandante da própria vida?

15. Dê atenção à visão extrafísica. Ao sentir-se saindo do corpo humano ou ao ter dúvidas se está sonhando, dê comandos com a vontade como “enxergar agora” ou algo semelhante. A visão extrafísica é um poderoso fator coadjuvante durante a experiência e influi de modo direto tanto nas percepções e, ao que tudo indica, no processo de rememoração. Há casos onde ocorre a chamada “projeção cega” em que o projetor atua sem os processos visuais numa condição não ideal. Quanto mais sofisticada a visão extrafísica, maiores serão as chances de distinguir os ambientes e superá-los caso seja necessário. Fora do corpo você busca enxergar a realidade como ela é ou apenas como deseja?

16. Mexa as energias extrafisicamente. Ao estar com alguma lucidez extrafísica, utilize suas habilidades para trabalhar as energias objetivando aumentar a própria desenvoltura e refinar a perceptibilidade. Instale estados vibracionais, exteriorize o corpo energético, realize psicometrias, amplie as clarividências, entre outros, de modo a ter maior autonomia e preparo para ter autodefesa, caso seja necessário. Entretanto, cabe salientar que é o hábito do trabalho energético na vigília física (acordado) que gera a predisposição sadia de fazer o mesmo na dimensão extrafísica. É comum a pessoa se surpreender ao ter maior facilidade com as bioenergias na projeção e tais experiências aumentam a autoconfiança. Você já experimentou um estado vibracional extrafísico marcante?

17. Faça contato mental com os amparadores. Ao projetor bem intencionado, em desenvolvimento, há sempre algum nível de supervisão extrafísica. Não ver ninguém ao seu lado estando de psicossoma não significa estar sozinho, pois a presença do amparo geralmente é sutil e intangível. Procure fazer uma conexão mental ou de ideias que promova a comunicação telepática para receber orientações que melhorem a jornada interdimensional. O amparador não é figura divina ou mitológica, mas, na verdade, figura com similar padrão evolutivo ao seu e tratá-lo como amigo é postura simples e madura. O nível de cosmoética é o canal de interação com os amparadores.

18. Faça uma autochecagem extrafísica. Um modo de ampliar a lucidez extrafísica é treinar fazer uma análise do próprio psicossoma. Esse procedimento é chamado de autoanamnese. Ao sair do corpo, qual roupa você está usando? Seu psicossoma está luminoso? Consegue ver o cordão de prata? O ato de se examinar trás maior entendimento quanto a natureza do psicossoma e a expansão da lucidez pelo detalhismo. Obviamente, não é preciso fazer isso em toda experiência lúcida, mas, em algumas situações, pode ajudar muito durante a experiência. Você tem o hábito de fazer a autochecagem já na vida humana?

19. Analise o ambiente onde se manifesta. Outro ponto relevante é identificar qual a localidade extrafísica em que você está se manifestando. Dessa forma, há mais chances de agir com discernimento de acordo com o contexto, isto é, ajudando no lugar que precisa, fazendo encapsulamento onde é necessário e aprendendo em ambientes mais evoluídos. No entanto, o ideal é planejar e usar a vontade férrea para definir e realizar o itinerário extrafísico de acordo com seus objetivos cosmoéticos. Qual o nome da comunidade extrafísica? Qual o idioma telepatizado pelos habitantes? Qual seu papel nesse contexto? A projeção consciente é instrumento para a consciência desbravar a si mesma e o cosmos, mas não para se sentir perdida.

20. Refaça seus condicionamentos. Como a projeção é guiada por nossos pensamentos e emoções, os condicionamentos possuem papel fundamental em tudo. Se você não se acha capaz de atravessar uma parede, você não conseguirá. Tudo o que você considera “impossível” ou “muito difícil” é provavelmente uma limitação gerada por si próprio. Fora do corpo você já cogitou: sair voando, enxergar com uma visão 360º, caminhar na superfície do Sol, visitar planetas com vida inteligente, ir a outras galáxias, estar em uma dimensão sem tempo ou espaço, entre outros? Se ainda pensa que corre algum perigo e que não consegue fazer, não será nenhum ser evoluído que irá doutriná-lo para pensar diferente. O nível dos seus condicionamentos exemplifica sua qualidade enquanto projetor consciente.


RETORNO AO CORPO:

É comum os interessados na projeção consciente terem enorme curiosidade e preocupação com técnicas projetivas e com o que fazer fora do corpo, mas geralmente banalizam o período de retorno ao corpo. Saber retornar ao corpo é tão importante quanto saber sair dele.

21. Não se preocupe com o reencaixe. Muitos não querem sair do corpo por medo de não conseguirem retornar, ou seja, morrer durante a experiência. Entretanto, o retorno para o corpo deitado é dos processos mais simples, e muitos projetores concordam que é mais difícil manter-se no extrafísico do que reencaixar. Quem vê o corpo deitado não precisa pensar em como voltar, pois basta pensar no corpo com certo vigor mental para promover um encaixe rápido. Uma sensação muito agradável é o retorno lento em que, aos poucos, é possível sentir o acoplamento com perfeição e com grande sensação de harmonia. Você admite ter, em algum nível, receio de não voltar ao corpo?

22. Perceba as ocorrências durante o retorno ao corpo. Durante o retorno ao corpo físico procure observar as ocorrências que normalmente caracterizam a projeção lúcida. Ocorreu algum banho energético pós-projetivo? Sentiu-se puxado para o corpo de modo abrupto? Uma das sensações mais comuns percebidas no retorno, principalmente com pessoas que não sabem nada de projeção, é a sensação de queda como se estivesse em queda livre. Já se sentiu caindo antes de acordar? Outra ocorrência comum é a percepção de barulhos que ecoam dentro da cabeça chamados sons intracranianos durante a situação do reencaixe. Você dá valor às ocorrências pós-projetivas?

23. Não acorde com som alto. A fixação das imagens e vivências extrafísicas no cérebro físico requer acalmia e relaxamento. Um dos maiores agentes sabotadores da projeção é acordar com música alta, pois normalmente esse susto acaba anulando as rememorações. Por mais que haja enorme lucidez extrafísica e você tenha vivido uma experiência incrível, tudo pode ser rapidamente perdido por causa de um “detalhe”. O ideal é despertar naturalmente, sem nenhum ruído sonoro, ou então com música suave que vai aumentando o volume lentamente. Acordar com música alta, para muitas pessoas, é a primeira entropia do dia.

24. Não acorde com pressa. Uma problemática comum não é necessariamente a rememoração com calma, mas sim, o ato de acordar com pressa. A pessoa agitada por natureza tem a tarefa extra de reeducar suas emoções e seus instintos a fim de não prejudicar os próprios desempenhos projetivos. Quem levanta rápido da cama e vai “chutando coisas” pelo caminho, “trompando nos móveis” e derrubando objetos precisa ir com mais calma se almeja o sucesso projetivo. O momento de levantar é um horário crítico que não deve ser banalizado ou ignorado, pois pouco adianta se esforçar em tudo na projeção e “morrer na praia” por falta de rememoração. Acordar sempre atrasado é atestado de autodesorganização.

25. Valorize a hipnopompia. A hipnopompia é a fase de retorno ao corpo onde ocorre o reencaixe, mas onde predomina a descoincidência, sendo basicamente evento correlacionado à hipnagogia. Permanecer relaxado na cama, depois de acordar, favorece não apenas a memorização dos eventos extrafísicos, mas é também um momento fértil para a ocorrência de diversos fenômenos como a clarividência hipnopômpica, flashs retrocognitivos, entre outros. Uma situação muito positiva é a aquisição de ideias de inúmeras fontes que trazem entendimento, resoluções e clareza quanto às questões evolutivas. Quais os benefícios e proveitos ocorridos através da hipnopompia?

26. Faça a rememoração com calma. Ao acordar naturalmente ou com alguma música suave, faça a ação íntima de repassar mentalmente tudo o que ocorreu na noite. Se possível, mantenha seu corpo imóvel, evitando movimentos abruptos e, com a força da vontade, ache o fio da meada da rememoração fragmentária. Além do corpo paralisado, também há técnicas que ajudam nesse processo como virar a cabeça para o lado ou também estimular o frontochacra (ou terceiro olho). Boa parte do que não lembramos é devido à falta de importância e de atenção à multidimensionalidade. Pensar sobre o que ocorreu durante a noite faz parte da sua rotina projetiva?

27. Insista na rememoração fragmentária. O ideal depois da projeção consciente é não precisar de rememoração. Ou seja, ter lucidez permanente e de fato não precisar relembrar por não perder a racionalidade em momento algum. Caso a rememoração não venha em bloco (integral), é importante insistir no fio da meada até a paravivência emergir. Não desista da rememoração fragmentária. Lembrou-se apenas de uma cena? Insista mesmo assim. Até mesmo durante o dia, em seus afazeres, pode acontecer um fato pequeno, uma conversa banal ou outra situação que trará a memória dos eventos para o indivíduo atento. Quem rememora uma cena pode rememorar o contexto todo.

28. Registre as suas experiências. Um sinal claro de maturidade e responsabilidade parapsíquica é o registro das autovivências independentemente do nível de expressão do fenômeno. No caso da projeção consciente, os detalhes da experiência são fundamentais na análise de longo prazo e trazem inúmeras respostas e entendimentos. Portanto, não ignore nenhuma questão ou observação por menor que seja. Dessa forma, você poderá montar o “quebra-cabeça” ao juntar as peças (ou fatos) até o entendimento global da cosmovisão. Sem anotação os aprendizados são menores ou esquecidos e isso mostra que o indivíduo não leva a projeção a sério.

29. Faça uma análise crítica das vivências. Muitas pessoas argumentam que não anotam e refletem sobre a projeção por não ter projeções lúcidas. Entretanto, boa parte não valoriza as pequenas vivências e ignora os pormenores que fazem a diferença: você registra os sonhos? E os detalhes das suas sensações pré-projetivas? Em quais dias tem melhor desempenho? Essas e outras milhares de questões, ainda que não vinculadas a experiências grandiosas, são importantes para tirar lições sérias e fazer valer a pena todo registro. Outro ponto relevante é depurar profissionalmente as projeções mais sérias para entender todas as nuances, os diferenciais e entender os seus mecanismos perante o fenômeno. Quem é interessado verdadeiramente no desenvolvimento projetivo arruma um jeito de analisar-se com criticidade. Seu nível de projetor equivale ao seu nível de registrador?

30. Troque experiência com outros projetores. Sendo você é apenas um interessado teórico no tema, um praticante pouco informado ou alguém em desenvolvimento, é importante interagir e trocar ideias e informações com outros pesquisadores. Ouvir outros pontos de vista é importante para o crescimento pessoal e, dessa forma, o voluntariado se torna ferramenta preciosa no amadurecimento pessoal e grupal. Outras formas para o intercâmbio de experiências é a participação em grupos de pesquisa, dinâmicas parapsíquicas e congressos específicos. Outra questão pouco citada é que suas experiências extrafísicas podem gerar neorreflexões, provocar novas hipóteses ou mesmo refutar conceitos atuais frente ao processo das verdades relativas de ponta. Não basta ser um bom projetor apenas dentro de casa; abrir-se para o mundo é retribuir ao cosmos.


Importante lembrar que todos esses pontos projetivos parecem fazer da experiência algo complicado, mas não é. Uma coisa é a análise minuciosa e didática das vivências; outra coisa é a experiência em si. Exemplificando: uma coisa é estudar detalhadamente como andar de bicicleta, apenas na teoria; outra coisa é pegar uma bicicleta e andar. No final das contas, a teoria complementa a prática e vice-versa. Em outras palavras, abra-se sinceramente para a experiência.

O projetor consciente é quem escolheu a prática sistemática ao invés de ficar apenas na teoria. Dependendo da pessoa (seu temperamento, medos e convicções) o esforço para adquirir lucidez multidimensional pode ser pouco ou enorme. Seja qual for seu estágio atual é possível ter sucesso projetivo. A lucidez extrafísica é inevitável perante a evolução. Agora, se demorará muitas vidas para essa aquisição dependerá exclusivamente de você.

Aproveite seu período de sono para desenvolver-se como consciência. Essas experiências podem ser altamente satisfatórias e positivas se assim você quiser. Nessa sociedade tão corrida e apressada é imenso desperdício permanecer no “coma fisiológico” do sono comum. O projetor veterano é um exemplo silencioso de dedicação e esforço diário. Enfrente o medo da morte e enfrente a projeção lúcida.



Esse texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente! 

Por Alexandre Pereira.


OBS: Este texto é uma compilação de três dicas publicadas anteriormente sobre projeção consciente.





4 comentários:

  1. Ola, gostaria de saber como se exterioriza energia, isto é primordial pelo que vejo!!

    ResponderExcluir
  2. Axl para exteriorização da energia, basta sua vontade que ela saia do seu corpo. Trocamos energia o tempo todo de forma inconsciente, Porém podemos retirar ou exteriorizar apenas com nossa vontade. Aos poucos praticando você vai perceber as sensações que lhe causam. Exterioriza para pessoas, ambientes, para o universo etc...

    ResponderExcluir
  3. >Parabéns pela descrição embora nem tudo esta descrito devido ser muitas experiências que se vivencia numa projeção astral. Faço isso desde os oito anos de idade até os dez, e no meu quarto eu ficava desesperado até pensando que era fantasmas ou coisas mais. Após uma pausa tudo recomeçou novamente depois dos meus 16 anos e após adquirir um livro sobre o tema passei a me dedicar mais e fazer comigo mesmo todo tipo de experiencias, como sair do corpo e atravessar paredes, andar fora de casa visitar pessoas etc. Lembrando que o que vemos e turvo e não nítido, devido a ferramenta principal que são os nossos olhos estar em repouso no corpo físico na cama. Depois disso e até hoje não tenho medo da morte como muitos temem, já que quem morre é o corpo físico e não a energia vital dentro dele que é eterna e por isso todos o chamam de espirito. E energia não se acaba e não se estingue, esta sempre em expansão assim como o universo infinito como um todo. (Valério p lopes)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário Valério. Agora essa questão da visão é puro condicionamento pessoal, pois é possível enxergar em 360°, em zoom e de todas as formas possíveis. Abs

      Excluir