E quando ser sensitivo faz mal?

19:30:00 Administrador 0 Comments



*Texto publicado na revista Obvious.


Você já deve ter ouvido a expressão de que todo mundo é um pouco sensitivo. Afinal, quem de nós não tem algum tipo de intuição? Agora o que fazer quando essa capacidade mais atrapalha do de auxilia?



É recorrente em nosso tempo a expressão de que as mães tem um sexto sentido quando se trata de seus filhos. Essa capacidade de perceber o filho mesmo a distância, ainda que sem indícios, é próprio dos sensitivos. A sensação "materna" de que algo está errado permeia a vida como um todo e normalmente as impressões estão corretas. Nesse exemplo, a mãe pode intervir e sua sensibilidade atua de modo positivo.



No entanto, em indivíduos onde essa capacidade de percepção está além da média, as chamadas pessoas sensitivas ou parapsíquicas, essa condição pode criar inúmeros inconvenientes se não tiver atenção adequada ou esses assuntos forem banalizados pelos envolvidos. Isso se deve porque essa sensibilidade é um atributo neutro, ou seja, pode ser tanto positivo quanto negativo dependendo da utilização.



Eis abaixo 6 tipos de problemas em função da sensitividade (ou parapsiquismo) e logo após 6 auxílios para transformar essa ferramenta em algo construtivo.



1. Ser esponja dos problemas



É muito comum ouvir a expressão de ser esponja dos problemas e das circunstâncias dos outros. Basta vir um amigo falar dos seus problemas para sentir tudo aquilo e provavelmente ficar mal depois, seja com uma dor de barriga ou ficando de cama no dia seguinte. Ser uma esponja energética que só sente e acumula os problemas alheios não é nada positivo.


2. Acabar se isolando.

Vivemos num mundo que é muito mais doente que sadio. O sensitivo que sente as energias, as angústias e as más intenções alheias pode cometer o erro de se isolar na expectativa de se proteger dessas "contaminações" ruins. É comum com o tempo alguns criarem até fobias de multidão e certos pânicos indefinidos. O isolamento pode parecer uma atitude razoável quando, na verdade, o problema não foi resolvido.

3. Minidoenças frequentes.

É comum o sensitivo apresentar sinais de esgotamento que pode desencadear pequenas doenças e mal-estares diversos. Desse modo, a imunidade e os sistemas de defesa do organismo podem ser prejudicados em função do contato com seres desestabilizados e energias tóxicas. Não é muito funcional usar a sensitividade em favor de alguém e depois ficar na cama se recuperando por tempo indeterminado.

4. Não saber desassimilar


Uma pessoa que sofre com sua sensitividade é aquela que não sabe o que é a desassimilação das energias ou como se limpar dos "fluídos". Sim, nossas energias podem ser limpas assim como fazemos com o corpo físico. Há diversas técnicas práticas e objetivas, como da Conscienciologia, até outras de cunho místicas e ritualísticas. A questão mais séria é entender que você não precisa ficar muito tempo com energias negativas e indesejadas.


5. Alterações repentinas de humor.

Quem tem sensibilidade energética e tem pouca resistência ou defensividade acaba tendo alterações emocionais bruscas. Um exemplo típico são as alterações de humor que podem variar num espectro amplo. Há pessoas que se julgam bipolares quando, a rigor, são mais suscetíveis as energias e emoções externas. Todo sensitivo deve se empenhar para alcançar a estabilidade


6. Ser vampirizado vitalmente


Um parapsíquico iniciante é geralmente é mais ingênuo quanto a intenção e o nível dos demais. Nesse processo muitas vezes nem percebe quando está sendo sugado e vampirizado energeticamente até que fique mal e "sem bateria". Desse modo, vem uma fraqueza e um sono irresistível a ponto de esgotar as forças podendo durar horas ou até dias. Estar totalmente aberto aos outros permite esse tipo de ocorrência. 

Como melhorar?

Entretanto, é possível conviver bem com essas habilidades de modo saudável. Infelizmente muitos caem na besteira de tentar bloquear e reprimir suas capacidades no intuito de ser alguém "normal" e sem algumas problemáticas como os exemplos citados acima. Ninguém precisa ser penalizado em função de processos extrassensoriais. Entre as inúmeras dicas para não se prejudicar seguem 6 auxílios diversos ao parapsíquico:


1. Aprender a focar em sua respiração.


Em momentos de estresse e de momentos desconfortáveis é possível utilizar uma estratégia simples e eficiente que consiste em prestar atenção na própria respiração. Se souber fazer a respiração abdominal os efeitos são ainda melhores e mais rápidos. Calma e respire.

2. Pensamentos positivos.

Ter pensamentos positivos não é atitude de pessoas ingênuas e tolas. Aprender a olhar o lado bom das coisas é fundamental para a manutenção da saúde mental e de uma harmonia íntima. Nossa sociedade é doentia e cheia de incoerências, mas não signifique que devemos nos exaltar a cada percepção do disfuncional. Analisar a vida sem ser reacionário é ponto primordial ao sensitivo.

3. Praticar técnicas energéticas.

Todo mundo pode sentir e controlar as próprias energias a favor da manutenção do equilíbrio pessoal. No oriente, por exemplo, a movimentação de energia é popular a séculos e muitos já se beneficiaram. Ao controlar as próprias energias você pode recuperá-las, se proteger quando necessário, realizar desbloqueios diversos, evitar certas doenças e assim por diante. 

4. Atividades de desassimilação.

O ideal, ao mudar de tarefa, é se desligar totalmente do que acabou de fazer. Quem mexe com energia pode fazer isso mais facilmente. Caso ainda não saiba, invista em atividades que mudem o seu foco mental e tenha determinação em se desligar por completo. Não conseguir parar de pensar em algo é inconveniente e, dependendo do caso, uma ação negativa.

5. Ampliar o autoconhecimento.

Investir em se conhecer é algo precioso em todos os sentidos. Dessa forma, você consegue identificar seus pontos falhos e assim corrigi-los ou mesmo entender seus mecanismos pessoais e desse modo seguir com o máximo de equilíbrio possível. Quem não se conhece acaba sendo vítima de si mesmo e sofrendo de modo desnecessário quanto ao parapsiquismo.

6. Saber dizer não.

Quem é "esponja" só absorvendo os problemas e energias alheias em geral não sabe se posicionar e dizer não. Assim, segue como sendo o bonzinho que todos pisam e maltratam. Querer ajudar não significa estar aberto a ser um tolo que pode ser facilmente manipulado. Toda forma de permissividade, ainda que bem intencionado, pode trazer problemas. 

Para quem já conhece a Conscienciologia: 

Domine mais suas energias.

Quanto mais você dominar suas energias melhores serão suas capacidades para reverter qualquer situação que envolva consciências. Voltar a um padrão pessoal sem qualquer tipo de interferência nociva é algo raro e primoroso. Suas energias são o pilar da vida equilibrada.

Faça o arco voltaico pessoal.

Quando estiver sentindo que existe alguma interferência extrafísica negativa em você, como por exemplo um assédio, faça um arco voltaico nos chacras encefálicos. Busque utilizar apenas o controle interno sem a utilização das mãos. O arco voltaico é uma técnica excelente na quebra de ligações interdimensionais.

Aprenda a fazer o encapsulamento.

O encapsulamento com as energias é um método defensivo eficiente, e por vezes rápido, que ajuda na prevenção de pessoas e lugares que podem deixar você defasado. Apesar de ser possível encapsular ambientes ou outras pessoas, o ideal é fazer em si mesmo como manobra prioritária. Há momentos onde é preciso se isolar.

Não querer ser o “salvador da pátria”. 

Muitas pessoas sofrem com sua sensitividade por se colocar numa postura de salvador da pátria que quer desassediar o mundo. Ou seja, joga energia de modo imprudente, tenta energizar todo mundo que "acha que precisa", ignora toda forma de assédio extrafísico, pensa que pode fazer o que quiser pois os amparadores irão protegê-la. Boa parte desses "salvadores" mal salva a si mesmo.


Ter uma percepção mais aflorada é um diferencial que pode ser utilizado de modo construtivo e saudável. Negar toda forma de sensitividade ou parapsiquismo não resolve o problema, mas o agrava. Tirar proveito das próprias potencialidades só traz ganhos tanto para si mesmo quanto para os envolvidos. Que tal aproveitar suas habilidades ao invés de sofrer desnecessariamente?



Este texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!

Por Alexandre Pereira.


** Não entendeu alguma palavra? - GLOSSÁRIO.

0 comentários: