Técnica de Mensuração da Lucidez Extrafísica

21:00:00 Administrador 1 Comments

Resumo:
Este artigo apresenta uma neotécnica na condição de ferramenta de avaliação da autolucidez projetiva e diversas possibilidades de análise do parapsiquismo. Associado a técnica, propõe-se a criação de uma planilha de acompanhamento do desempenho pessoal e também a ampliação da escala de lucidez extrafísica para otimizar o escalonamento dos resultados. A metodologia foi a pesquisa e análise para a criação da técnica e a autoexperimentação que serviu como lapidação. O trabalho tem por objetivo a mensuração da vivência multidimensional. Do ponto de vista da prática, a referida técnica foi aplicada pelo propositor por 35 meses não consecutivos que abrangem um período de mais de dez anos, no período entre os anos de 2004 a 2014.

Palavras-chave:
Lucidez extrafísica
Mensuração projetiva
Parapsiquismo
Projeciologia

Introdução

Contexto. Na época da configuração da técnica, o autor tinha recém completado o primeiro ano de docência conscienciológica e buscava um modo de avaliar o nível pessoal de autoconscientização multidimensional (AM) e também a progressão autoevolutiva com o passar do tempo. Entre todas as ferramentas já disponíveis pela Conscienciologia, embora úteis, nenhuma delas parecia ser totalmente adequada e funcional para atender aos objetivos particulares objetivados.
Insight. Enquanto estudava a escala de lucidez extrafísica, em julho de 2004, aconteceu o insight a respeito da técnica proposta, enquanto uma alternativa de conscienciometria projetiva. A partir da ideia inicial, o autor investiu em estruturá-la.
Continuidade. Desde então, a partir da proposição inicial foram feitas adaptações e reestruturação das escalas e tabelas até o início das práticas em agosto do mesmo ano. Com a definição dos prazos e do modus operandi, ficou pronta a técnica sobre a qual este trabalho apresenta a base teórica e traz exemplos de aplicação prática.
Objetivo. O propósito do artigo é apresentar a referida técnica visando contribuir para a melhoria da mensuração da capacidade projetiva. Outro ponto é elucidar os parâmetros básicos e minimamente complexos da técnica proposta que fornece dados estatísticos, que podem ser utilizados para autodiagnósticos e obtenção do nível de lucidez extrafísica.
Metodologia. A metodologia adotada começou pela pesquisa projeciológica para a conceituação da técnica, para a criação da planilha da autolucidez e, por conseguinte, a experimentação do autor por mais de 35 meses não consecutivos, no período entre 2004 e 2014.
Estrutura. O artigo está estruturado em 2 partes: Descrição da Técnica e Mensuração dos Resultados.

I. Descrição da Técnica

Definição. Técnica de mensuração da lucidez projetiva é a anotação diária, no período pós-projetivo, quanto ao nível máximo de lucidez extrafísica alcançado na noite anterior mediante o prazo de um mês seguido, sem ignorar nenhum dia, para se alcançar média de paraperceptibilidade pessoal.
Classificação. O tema central é neutro, componente na área da Projeciologia.
Sinonímia: 1. Avaliação da lucidez projetiva. 2. Mensuração da autoconscientização multidimensional. 3. Técnica da lucidez extrafísica. 4. Técnica da autolucidez máxima. 5. Medição das experimentações multidimensionais.6. Estatística da paralucidez.
Antonímia: 1. Paracomatose projetiva. 2. Obnubilação multidimensional. 3. Superficialidade projetiva. 4. Análise projetiva instintiva. 5. Antilucidez projetiva.
Síntese. Eis em ordem funcional as quatro ações ínsitas a técnica, as quais serão detalhadas e discutidas no decorrer do texto:
1. Impressão ou aquisição da tabela mensal: utilizada para propiciar a visão de conjunto dos resultados já obtidos.
2. Anotação diária da lucidez alcançada: demarca o pico da lucidez alcançado durante a noite.
3. Cálculo da média mensal de lucidez: realizado apenas no final do mês ou do período de pelo menos 30 dias.
4. Ranking das melhores médias (opcional): estabelecido com as marcas pessoais de lucidez extrafísica e outros dados estatísticos de interesse do pesquisador.

Duração. Cada planilha utilizada na técnica contempla 30 dias consecutivos de anotação, prazo este considerado prazo ideal uma vez que, caso o período fosse muito curto, por exemplo, uma semana, o projetor pode se empenhar por poucos dias e ter um bom resultado, contudo não refletindo sua realidade projetiva. Caso o período fosse muito longo o pesquisador pode tender a abandonar a prática, o que prejudicaria a observação de dados relacionados à ampliação e desenvolvimento de sua lucidez extrafísica.
Composição. No caso de a planilha estar coincidente ao início do mês, pode ser composta de 28, 30 ou 31 das, dependendo do mês em referência.
Anotação. Conforme explanado anteriormente, a técnica consiste na anotação do nível de lucidez alcançado na noite anterior, o qual deve ser com o máximo de precisão e autenticidade pessoal, uma vez que ela proporcionará a realização da média matemática a partir do alcance de cada dia e a panorâmica do nível pessoal de projetabilidade lúcida.
Escala. A escala de lucidez publicada por Vieira (1999) apresenta cinco níveis de qualidade de parapercepções no extrafísico, expostos na ordem crescente:
1. 20%: é a experiência onde predomina a semiconsciência com ênfase em descontinuidade dos acontecimentos extrafísicos, aberrações alucinógenas e eventos mesclados com sonhos ou pesadelos. De um modo geral o psicossoma está lastreado ou carregado.
2. 40%: é a experiência onde predomina o estado da dúvida com intenso contexto emocional, insegurança no transcurso dos eventos e a dúvida quanto ao fato de estar projetado. O psicossoma ainda está lastreado.
3. 60%: é a experiência com o predomínio da certeza projetiva com associações de ideias amplas e com alto julgamento crítico. O psicossoma se apresenta menos lastreado.
4. 80%: é a experiência com o predomínio da autoconscientização, ou seja, a lucidez extrafísica é igual à vigília física ordinária com julgamento crítico máximo dentro das capacidades pessoais. O psicossoma apresenta-se sutil.
5. 100%: é a experiência da chamada superconsciência que apresenta lucidez máxima, superior ao estado da vigília física ordinária, de modo inconfundível, próprio da experiência de mentalsoma isolado.
Variações. Essa escala varia de pessoa para pessoa e de resultados a cada noite. Um erro que pode acontecer é a consciência considerar que ao se alcançar um nível, por exemplo, de 40%, nunca mais o mesmo será diminuído. A lucidez extrafísica pode variar de 100% até zero de um dia para outro ou durante a mesma noite, pois depende de inúmeros fatores intra e extraconscienciais. A qualidade da lucidez extrafísica é tão volátil quanto na vida cotidiana no estado da vigília física ordinária.
Autoconsciencialidade. A partir de uma escala de valores, o pesquisador pode aferir o nível de autoconsciencialidade extrafísica examinando criteriosamente os níveis mais altos de lucidez alcançados e a periodicidade que se repetem. O propósito da técnica é examinar a natureza projetiva dentro do binômio lucidez-rememoração.
Idealização. Na fase inicial de formação da teoria e prática da técnica, ao acordar (ou o mais cedo possível) este autor fazia a marcação do nível de lucidez alcançado na noite anterior. No entanto, ainda na primeira semana, já surgiram dificuldades na precisão dos registros, uma vez que a tabela com cinco níveis não atendia totalmente a demanda de maior assertividade estatística visada na mensuração.
Ampliação. Desse modo, no decorrer dos experimentos e ao estudar o tema, surgiu a necessidade da ampliação da escala original visando atender a demanda de maior precisão, levando o autor à proposição dos 11 níveis de lucidez extrafísica, expostos a seguir em ordem crescente:
01. 0% = Inconsciência: sem lucidez ou rememoração.
02. 10% = Confusão: sonhos comuns com rememoração falha.
03. 20% = Semiconsciência: sonhos comuns ou com alguma rememoração.
04. 30% = Sonho lúcido: contextos menos oníricos e com flashs mais reais.
05. 40% = Dúvida: autoquestionamento de estar sonhando ou acordado.
06. 50% = Lúcido lastreado: paralucidez com psicossoma lastreado.
07. 60% = Lúcido semidesenvolto: convicção projetiva, psicossoma menos denso.
08. 70% = Lúcido desenvolto: lucidez próxima ao controle da experiência.
09. 80% = Autoconscientização: lucidez igual à Vigília Física Ordinária (VFO), psicossoma sutil.
10. 90% = Transição: extrapolação da lucidez.
11. 100% = Superconsciência: projeção mentalsomática, superior a VFO.

Detecção. A partir da utilização da escala proposta, responde-se aos questionamentos: qual foi a lucidez máxima alcançada na última noite? Quais foram os resultados gerais nos últimos dias e semanas?
Esforço. Visando conhecer melhor a capacidade pessoal de atuação multidimensional, propôs a duração de 30 dias consecutivos para a aplicação da técnica.
Autocorrupção. O modo estruturado tende a extinguirem-se as posturas da anticosmoética e do jeitinho de quem pode se esforçar em uma semana e banalizar as condutas projetivas nos demais dias do mês. Com o prazo estipulado, exige-se mais esforço e não apenas a empolgação de alguns dias. Aqueles que escolhem o caminho mais longo acabam, paradoxalmente, evoluindo mais rápido.
Tabela. Objetivando modo mais prático e visual, foi utilizada a técnica de mensuração da lucidez que contempla do primeiro até o último dia do mês com a escala até 100% de lucidez. Segue a tabela 1, ilustrando alguns dias, na condição de exemplo:
Tabela 1: Mensuração Mensal dos Percentuais Diários
100%
100%
100%
100%
100%
90%
90%
90%
90%
90%
80%
80%
80%
80%
80%
70%
70%
70%
70%
70%
60%
60%
60%
60%
60%
50%
50%
50%
50%
50%
40%
40%
40%
40%
40%
30%
30%
30%
30%
30%
20%
20%
20%
20%
20%
10%
10%
10%
10%
10%
Dia 1
Dia 2
Dia 3
Dia 4
Dia 5

Anotações. Se o experimentador alcançou 40% de lucidez na noite, pinta-se no computador ou com a caneta (caso a planilha esteja impressa) de 10% até o 40%. Desse modo, por exemplo, uma noite com 40% de lucidez alcançada seria marcado da seguinte forma:
100%
90%
80%
70%
60%
50%




Dia 1

Cosmovisão. A tabela ideal é aquela que contempla no mesmo verso da folha todos os dias do mês. Com o passar dos dias, as anotações formam um gráfico naturalmente ao exibir as flutuações da lucidez e o desempenho alcançado. Exemplificando, segue na tabela 2, anotação meramente ilustrativa de vários dias segundo a especificação:
Tabela 2: Exemplo de Tabela Fornecendo Cosmovisão dos Resultados
100%
100%
100%
100%
100%
100%
100%
100%
100%
100%
100%
100%
90%
90%
90%
90%
90%
90%
90%
90%
90%
90%
90%
90%
80%
80%
80%
80%
80%
80%
80%
80%
80%

80%
80%
70%
70%
70%

70%
70%
70%
70%
70%

70%
70%
60%
60%
60%

60%
60%
60%
60%
60%

60%
60%
50%
50%
50%

50%
50%
50%
50%
50%

50%
50%

40%
40%

40%
40%
40%
40%


40%
40%

30%
30%

30%
30%

30%



30%




20%
20%

20%



20%




10%
10%

10%




Dia 1
Dia 2
Dia 3
Dia 4
Dia 5
Dia 6
Dia 7
Dia 8
Dia 9
Dia 10
Dia 11
Dia 12

Análise. Ao analisar as marcações na tabela 2, nota-se que no primeiro dia chegou ao pico de 40% e que nos dias seguintes ficou em 20% até os 70% no dia 4. Percebe-se também que nos dias 5 e 6 não houve rememoração onde o projetor não se recordou de nada e, dessa forma, não pode mensurar a autodesenvoltura extrafísica.
Observação. Na tabela, com o passar do tempo, foi retirado a representação zero na porcentagem, justamente por dar um falso valor ao marcar uma noite sem resultados (esquecer de anotar é nota zero). No decorrer de 30 dias fica fácil a análise dos dias sem lucidez e das maiores escalas alcançadas.
Escalonagem. A principal análise é a média de lucidez conquistada. Entretanto, na aplicação da técnica pelo autor, ao se deparar com a média alcançada, surgiu outra problemática: quais os níveis de projeção existentes de acordo com a média mensal? Isto é, qual a diferença de classificação para alguém que em 30 dias alcançou 40 ou 80% de lucidez? Como categorizar?
Médias. Para a referida escalonagem o autor elaborou análise geral baseada na escala de lucidez até chegar à classificação quanto à média mensal de lucidez, exposta na tabela 3:
Tabela 3: Classificação da Média Mensal
Média
Nível Projetivo
0%
Trancado
10%
Hipolúcido
20%
Hipovigilante
30%
Semirracional
40%
Indagador
50%
Lúcido lastreado
60%
Autoconsciente
70%
Autodesenvolto
80%
Hiperlúcido
90%
Transicional
100%
Sutilizado

Nível. A partir da escala proposta na tabela 3, define-se o nível mensal de lucidez extrafísica. Um projetor que ficou com a média mensal em torno de 40% chegou ao nível “indagador” e assim sucessivamente. Naturalmente esses números são reflexos e mensurações numéricas que não necessariamente avaliam o impacto ou as consequências projetivas propriamente ditas. Ou seja, um projetor com a média baixa pode ter tido vivências mais impactantes e profundas que outro com média maior. A técnica proposta visa uma visão geral da performance pessoal.

II. Mensuração dos Resultados

Resultado. A conceituação e a aplicação da técnica surgiram no segundo semestre de 2004 e desde então a mesma foi aplicada durante 35 meses não consecutivos perfazendo um total de mais de dez anos de anotações. A tabela 4 apresenta a listagem total dos meses aplicados e algumas análises gerais. O item “dias válidos” é referente a média de lucidez utilizando somente os dias com alguma rememoração, excluindo os resultados nulos.
Exemplificação. Os itens foram analisados sob quatro variáveis, a seguir, na ordem funcional:
1. Meses do ano: localização cronêmica.
2. Média mensal: resultado da soma da lucidez dividido pelos dias do mês.
3. Dias válidos: total de dias com alguma rememoração e anotação da lucidez.
4. Média dos dias válidos: média realizada apenas com os dias válidos.

Tabela 4: Médias gerais
Mês e Ano
Média Mensal
Dias Válidos
Média de Dias Válidos
01
Agosto de 2004
15,48%
21
22,85%
02
Setembro de 2004
14,83%
22
20,90%
03
Outubro de 2004
12,25%
16
23,75%
04
Novembro de 2004
13,54%
20
22%
05
Julho de 2005
16,12%
19
26,31%
06
Setembro de 2005
11,33%
14
24,28%
07
Julho de 2006
13,54%
16
26,25%
08
Agosto de 2006
14,19%
21
20,95%
09
Setembro de 2006
16,66%
21
23,80%
10
Outubro de 2006
12,25%
18
21,11%
11
Abril de 2007
14%
23
18,26%
12
Maio de 2007
11,29%
16
21,87%
13
Junho de 2007
17,66%
20
26,50%
14
Julho de 2007
15,48%
23
20,86%
15
Agosto de 2007
14,19%
21
20,95%
16
Setembro de 2007
16,33%
24
20,41%
17
Outubro de 2007
13,22%
17
24,11%
18
Novembro de 2007
16%
21
22,85%
19
Dezembro de 2007
13,87%
19
22,63%
20
Janeiro de 2008
13,22%
21
19,52%
21
Fevereiro de 2008
16,89%
23
21,30%
22
Março de 2008
20,64%
30
21,33%
23
Abril de 2008
18,30%
28
19,64%
24
Maio de 2008
17,74%
24
22,91%
25
Junho de 2008
14%
21
20%
26
Julho de 2008
19,35%
25
24%
27
Agosto de 2008
16,77%
25
20,80%
28
Setembro de 2008
10,33%
14
22,14%
29
Outubro de 2008
10,64%
17
19,41%
30
Novembro de 2008
9,33%
14
20%
31
Dezembro de 2008
7,74%
12
20%
32
Outubro de 2012
10,96%
15
22,66%
33
Dezembro de 2013
16,12%
26
19,23%
34
Janeiro de 2014
14,51%
19
23,68%
35
Fevereiro de 2014
13,57%
17
22,35%

Dados. Os números mostram-se modestos quanto ao desenvolvimento projetivo e também refletem os meses onde o engajamento pessoal foi maior. Nos resultados registrados estão incluídos os meses onde foram aplicadas técnicas e rotinas projetivas e também os períodos sem nenhuma ação maior em decorrência das correrias e atribulações cotidianas. A sugestão é fazer os apontamentos independentemente do nível de aplicação do projetor justamente para fazer todos os tipos de contrapontos.
Ranking. Na década de anotações, a maior sequência mensal foi de abril de 2007 até dezembro de 2008 perfazendo o total de 21 meses consecutivos. Baseado nos números já expostos segue a tabela 5, informando o ranking de dados específicos que também podem ser aferidos pelos meses acompanhados.
Tabela 5: Melhores Médias Mensais
1
20,64%
Março de 2008
2
19,35%
Julho de 2008
3
18,30%
Abril de 2008
4
17,74%
Maio de 2008
5
17,66%
Junho de 2007

Meta. De acordo com a melhor marca atingida, que foi de 20% de média mensal, a classificação do nível projetivo é de hipovigilante. Apesar de ficar apenas 1 dia sem rememoração nesse mês específico, a média poderia ter sido muito maior se a qualidade da lucidez fosse maior. Um fator motivacional é justamente superar a melhor marca atingida em uma autocompetitividade sadia. É a automotivação que faz a consciência preferir a lucidez extrafísica diária ao invés de escolher a comatose consciencial da vida biológica.
Complemento. Segue os números relativos aos meses com maiores dias válidos ou meses com maiores rememorações. Esse tipo de dado é útil para aqueles projetores com baixa rememoração e que acordam durante boa parte do mês sem o menor sinal de flashes, imagens ou mesmo sonhos comuns. No mês de março de 2008, listado na tabela 6, houve 30 dias com alguma lucidez, ficando apenas 1 dia sem nenhuma.
Tabela 6: Meses com Dias mais Válidos
1
30
Março de 2008
2
28
Abril de 2008
3
25
Julho de 2008
4
25
Agosto de 2008
5
24
Maio de 2007

Qualidade. Fazendo a média de lucidez considerando apenas os dias em que houve algum nível de rememoração, no intuito de entender qual a qualidade da lucidez quando a mesma ocorre, apurou-se os números expostos na tabela 7.
Tabela 7: Média dos Dias Válidos
1
26,50%
Julho de 2007
2
26,31%
Julho de 2005
3
26,25%
Julho de 2006
4
24,28%
Setembro de 2005
5
24,11%
Outubro de 2007

Anual. Da mesma forma, foi possível apurar a média anual da lucidez apesar de variações entre 12 e 2 meses com registros efetuados. Na tabela 8, verifica-se que os resultados se mantiveram basicamente no mesmo nível com algumas nuances.
Tabela 8: Média Anual de Lucidez

Ano
Média Anual
Meses Anotados
1
2004
14,03%
4
2
2005
13,73%
2
3
2006
14,16%
4
4
2007
14,67%
9
5
2008
14,58%
12
6
2012
10,96%
1
7
2013
16,12%
1
8
2014
14,04%
2

Tenepes. Uma análise muito importante e interessante ocorreu no ano de 2008 em consonância com o início da tenepes em agosto que, por se tratar de uma técnica que mexe com profundidade na intraconsciencialidade, e os meses iniciais foram repletos de contrafluxos, que contribuiu para a grande diferença nos resultados obtidos. As médias mensais caíram de 19% para 10%, depois baixando até 9% e no final de 2008 chegando a 7,7% de lucidez mensal. Esses resultados explicitaram as dificuldades projetivas durante o início da técnica da tenepes.
Variáveis. Além das observações propostas, o pesquisador pode optar por outras variáveis que podem ser aferidas pela técnica, por exemplo estas quatro, expostas em ordem crescente:
1. Dias.  Quais os melhores dias do mês em resultados projetivos?
2. Períodos. Quais os melhores períodos dentro de um mês?
3. Técnicas. Quais técnicas projetivas aplicadas apresentam melhores resultados com, no mínimo, mais de uma semana de aplicação?
4. Meses. Quais os melhores meses projetivos de acordo com as rotinas mensais?

Considerações Finais

Mensuração. As pesquisas realizadas pelo autor indicam que as vivências projetivas podem ser mensuradas quanto à sua qualidade perante a técnica proposta, contudo, a mesma não é propiciadora de estímulos capazes de gerar o desenvolvimento parapsíquico e multidimensional. Não se dedicar às técnicas projetivas e contar apenas com tal tipo de mensuração é caminhar para futura frustração. O procedimento técnico atua como um aditivo dentro das interações interdimensionais enquanto meio de detecção do autodesempenho projetivo cosmoético.
Superação. Nos meses de prática e ajuste dos conceitos, o autor notou a relevância da autoconscientização multidimensional e o aumento da lucidez como desafios e metas a serem superadas. Dessa forma, a inevitável descoberta e ascensão projetiva pode ser medida de modo particular e progressivo em suas mais diversas nuances.
Universalidade. No campo da Projeciologia é importante a busca de formas e mecanismos que auxiliem na motivação e na mensuração do desenvolvimento projetivo. A técnica pode ser utilizada por todos os interessados com conhecimento mínimo quanto ao fenômeno da projeção consciente. A projetabilidade humana ainda é capacidade dormente na população global.
Know-how. Por se tratar de uma técnica aplicada por período mais longo, acaba auxiliando o praticante desenvolver ou fortalecer trafores como a organização, persistência e autolucidez. A técnica possibilita ainda o exercício do questionamento e da avaliação diária (posicionamento) quanto às rememorações projetivas, o que acaba trazendo grande know-how das próprias autoexperimentações que não seria viável em análise limitada às vivências mais importantes.

Enquanto ferramenta evolutiva a projeção consciente é
imprescindível depois de determinado momento íntimo.
Ser capaz de entender os próprios desempenhos é
caminhar para a maturidade parapsíquica.



Esse texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!

Por Alexandre Pereira.



Referências

01. Vieira, Waldo; Projeciologia: Panorama das Experiências da Consciência Fora do Corpo Humano; 4 edição; Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia; Rio de janeiro, RJ; 1999; páginas 529 a 535.
02. Vieira, Waldo; 700 Experimentos da Conscienciologia. 1.058 p.; 700 caps.; Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia; Rio de janeiro, RJ; 1994; página 179.





Um comentário:

  1. Muito boa análise. Vou iniciar com ela amanhã, pelo menos até o fim do mês, como experimentação.

    ResponderExcluir