100 vantagens de sair do corpo físico

09:00:00 Administrador 7 Comments


**Não entendeu algum termo? - Glossário

Resumo:
O presente artigo apresenta uma pesquisa sobre as finalidades do fenômeno da projeção consciente divididas em quatro categorias para uma apresentação didática. Portanto, o objetivo é detalhar e qualificar o entendimento da Projeciologia quanto às suas vantagens cosmoéticas para todos os níveis de projetores. Para isso, foi exposta uma listagem de 100 vantagens projetivas cosmoéticas obtidas por meio de pesquisas biográficas, anotações em cursos e de experiências pessoais. O tema central é homeostático por evidenciar o que pode ser extraído de melhor e o porquê esse fenômeno é tido como o mais relevante entre todos. 

Palavras-chave:
Projeciologia
Multidimensionalidade
Produtividade assistencial
Autoconscientização Multidimensional


Introdução

Relevância. Dos fenômenos parapsíquicos abordados e estudados até o presente, a projeção consciente que também é conhecida por viagem astral, desdobramento astral, out-of-the-body experiment, entre outros, é notadamente o mais importante de todos. É o triunfo da consciência sobre o próprio restringimento da vida material, intrafísica.
Holopensene. Mesmo tendo essa importância, pode-se afirmar que foi o fenômeno mais renegado e esquecido na história da humanidade. Entretanto, ao que tudo indica, quanto mais materialista é o nível de um planeta mais trabalhosa é a implantação de um holopensene projetivo. No entanto, com o crescimento e a ampliação da autoconscientização multidimensional a realidade extrafísica tende a ficar cada vez mais conhecida e vivenciada.
Autopercepção. Um dos trafores que diferenciam os seres humanos dos animais subumanos é a percepção de si mesmo, ou seja, saber da própria existência é básico e, ao mesmo tempo, fundamental. Seguindo essa linha de raciocínio, outro nível de autopercepção desenvolvido está relacionado à vivência lúcida em outras dimensões. Esse conhecimento é tão importante quanto sabermos de nossa existência. Entretanto, ainda é uma realidade pouco explorada mesmo todo mundo saindo do corpo enquanto dorme.
Desinformação. Mesmo que boa parte das pessoas conseguisse ter projeções lúcidas, ainda assim as realizações extrafísicas poderiam ficar limitadas. Como fato, é possível observar que muitos que dizem sair do corpo acabam fazendo pequenas ações, em subnível, por não saber aproveitar melhor essa ferramenta. Não é raro ouvir algo do tipo: “Eu consigo sair do meu corpo a maior parte das noites e não sei o que fazer. Acho até que seria melhor parar, pois, afinal de contas, para que ficar nessa condição?”
Objetivo. O propósito do artigo é dar subsídios técnicos para a contribuição de uma agenda extrafísica com qualidade e maior discernimento e, com isso, promover uma vida multidimensional mais produtiva.
Metodologia. A metodologia adotada foi a pesquisa bibliográfica de autores que relatam suas experiências fora do corpo em diversas épocas e suas ações transcendentes e comuns em diversas instâncias nas fases projetivas. Também foram coletadas anotações de cursos, palestras e tertúlias sobre o tema além da consulta das experiências do próprio autor.
Estrutura. A fim de aprofundar o entendimento das Vantagens Projetivas Cosmoéticas (VPC), eis uma listagem com 100 vantagens que traduzem a importância da projetabilidade lúcida, listadas em ordem alfabética e divididas em 4 categorias:
1. Vantagens Pessoais.
2. Vantagens Assistenciais.
3. Vantagens Convivenciais.
4. Vantagens Gerais.

Listagem. A listagem abaixo está expondo as vantagens projetivas de modo objetivo com certa descrição do item para aumentar o entendimento prático e funcional. Naturalmente, as vantagens totais da projetabilidade superam uma listagem de 100 itens e os relacionados aqui foram considerados os mais significativos.

Vantagens pessoais:

1. Absorção. Absorção de energias imanentes revitalizadoras capazes de aumentar a compensação energética e o equilíbrio holossomático. Evidentemente, a projeção serve como um recurso natural para a captação energética, mas com esse foco e direcionamento tende a ser bem mais sucedida. A recomposição energética é, antes de tudo, um recurso autoassistencial.

2. Aperfeiçoamento. A projeção consciente pode ser utilizada como um recurso paradidático, extrafísico, para o treinamento e a capacitação de diversas ações como, por exemplo: treinar extrafisicamente o estado vibracional (assim como as demais mobilizações energéticas), qualificar o treinamento do parapsiquismo lúcido, aperfeiçoamento da escrita, entre outros.

3. Autobilocação. A experiência de ver o próprio corpo físico deitado pode parecer um ato meramente simplório. Contudo, trata-se de um momento-chave, inesquecível e paradoxal, para quem já foi capaz de vivenciá-lo. É um momento chave que equivale ao gesto de olhar para a própria vida, para si mesmo, e fazer reflexões profundas sobre a existência. Não é raro ocorrerem euforias extrafísicas (euforex) e sentimentos de profunda gratidão ao corpo (soma).

4. Autoconhecimento. A projeção lúcida é um dos meios mais eficientes para um indivíduo se conhecer, tanto do ponto de vista intraconsciencial como extraconsciencial (multiexistencial, multidimensional, multiveicular). De forma prática é a vivência de um paradoxo da autopesquisa: para se conhecer melhor, é preciso sair de dentro de si mesmo, ver a própria consciência e a realidade por outro prisma. Sem autopesquisa não há o autoconhecimento.

5. Autoconsciência. De acordo com a Evoluciologia, a projetabilidade lúcida será uma realidade contínua para a consciência, ainda que leve muito tempo para se consolidar. No entanto, quando nos esforçamos para sermos projetores veteranos, já estamos trabalhando multiexistencialmente para fixarmos o Estado da Autoconsciência Contínua. Ou seja, estamos nos gabaritando aos poucos para atuarmos um dia como os Serenões o fazem (ainda que esta realidade esteja muito distante): desenvoltos e com livre trânsito para atuar em qualquer dimensão com o máximo de lucidez.

6. Autoconscientização Multidimensional. Há uma grande diferença entre reconhecer-se como consciência e sentir-se imortal, consciencialmente perpétuo. A vivência em outras dimensões traz novamente à tona em nosso cérebro quem somos e de onde viemos. Cada um pode por si mesmo encontrar a resposta feita por séculos pelos filósofos: quem sou? Onde estou? De onde vim? Para onde vou? Você já se perguntou como vive uma pessoa capaz de atuar multidimensionalmente o tempo todo e sem alienação?

7. Automimese. A projeção também serve como um recurso terapêutico por servir de “modem” para nos conectarmos com o grande arquivo consciencial: a Holomemória. Com isso, além de resgatarmos qualidades individuais e informações preciosas, também é profilático por mostrar o que não devemos repetir. De tudo o que você fez nessa vida, quais besteiras você não executa mais? Se essa pergunta já lhe traz muitas respostas, imagine acessando o banco de dados de todas as suas existências passadas.

8. Autorrevezamento. Por meio da projeção consciente é possível saber mais a respeito da próxima existência, incluindo a futura família, o país (província, região ou cidade), o sexo físico (masculino ou feminino), entre outros. Dessa forma, é exeqüível fazer, já no final da seriéxis, um planejamento prévio da próxima vida intrafísica com o auxílio dos amparadores e assim poder encadear as existências com um propósito semelhante, em uma seqüência. Isso é chamado de autorrevezamento multiexistencial.

9. Autotoque. Uma maneira de conhecer melhor as várias nuances dos veículos de manifestação é realizar a prática de, quando estiver projetado de psicossoma, tocar o próprio corpo físico estático e inanimado na cama. Apesar da facilidade de ocorrer a reentrada súbita no soma, não deixa de ser um interessante experimento de autoanálise e autopercepção.

10. Cons. A projeção lúcida é o recurso mais avançado para um indivíduo que deseja atuar o mais próximo de seu real nível consciencial. Isto é, pela projetabilidade ocorre uma recuperação intensiva de cons, relativos a maturidade, que vai tornando o projetor, pouco a pouco, mais próximo de sua realidade quanto estava como consciex. Se às vezes viajar pode ser mais significativo do que ler uma biblioteca, então o conhecimento consciente da extrafisicalidade é inegavelmente um avanço rumo à holomaturidade.

11. Cursos. No quesito capacitação, a projeção consciente serve como uma ferramenta de acesso a cursos e eventos em instituições extrafísicas da Sociex (sociedades extrafísicas). Com isso, fazendo uma autocapacitação em conjunto de consciências especialistas e com o uso de paratecnologias. Uma das melhores vivências é a projeção educativa. Você tem o abertismo para aprender coisas novas?

12. Desrepressão. Em muitos casos, a percepção de estar fora do corpo acaba tornando-se, mesmo não sendo intencional, uma terapêutica para pessoas reprimidas, condicionadas ou robotizadas. Ao perceber a realidade é possível a consciência rever seu modo de vida e suas repressões em geral como: repressões religiosas irracionais e infundadas, repressões sexuais diversas, repressões familiares, repressões profissionais, entre outros. Um sinal evidente de repressão é o sentimento mortificador de culpa.

13. Dupla. Identificar ou conhecer o(a) parceiro(a) componente da Dupla Evolutiva. Mesmo sendo uma possibilidade real de encontro via projeção, acaba sendo um recurso pouco explorado por projetores e conscienciólogos que permanecem em uma situação de carência, com uma sensação de solidão e que não fazem nada para endireitar sua vida afetivo-sexual. Várias duplas já se encontraram dessa forma de modo sadio. Pior que viver sozinho é viver se lamentando.

14. Experimentação. Em relação à experimentação, a projeção consciente é o agente capaz de fornecer as melhores informações sobre a realidade do maximecanismo. De pouco adianta viver na filosofice ou na teorização, pois a verdade muitas vezes é mais paradoxal que lógica. Eis uma das mais sérias vantagens projetivas: efetuar a troca da crença pela experiência através de experimentações pessoais, racionais, incontestáveis, genuínas e legítimas.

15. Holocarmalogia. Por meio das retrocognições, aliada à autopesquisa, é possível saber qual a conta corrente holocármica relativa à sua consciência (egocarma), relativo ao seu grupo (grupocarma) e, em alguns casos, relativo ao policarma em uma condição mais evoluída. Dessa forma, ocorre um aprofundamento do autoconhecimento pela clareza quanto à Ficha Evolutiva Pessoal (FEP), ou currículo holobiográfico, relativo às múltiplas existências.

16. Intermissão. Eis uma das mais magníficas funções da projeção consciente: o reconhecimento e a recordação do período entre vidas e do curso intermissivo. Com essas informações, elimina-se qualquer dúvida angustiante quanto ao seu papel nesse mundo, quanto à razão de sua existência e de estar aqui nesse momento na dimensão intrafísica. Perante as retrocognições, o que você acha mais válido: lembrar de “antigas viagens” ou lembrar o roteiro da viagem atual? Em terra de cego quem tem olho deve ser completista.

17. Lucidez. A projetabilidade permite a eliminação gradual, multiexistencialmente falando, do coma fisiológico do sono que consome em média 1/3 de nossa vida intrafísica. O cálculo básico é que uma pessoa que dorme 8 horas por noite ao chegar aos 60 anos passou 20 anos dormindo. Pouco importa justificar dizendo dormir pouco. É parte natural do desenvolvimento evolutivo a aquisição de maior lucidez multidimensional e assim eliminar esse período “improdutivo”. A vida humana é pequena demais para desperdiçarmos uma boa fatia dela apenas dormindo, apagados.

18. Medos. Eliminação de medos e fobias paralisantes. Durante as projeções é possível identificar a raiz daquilo que se teme e promover a renovação. Muitas vezes são os próprios amparadores que oferecem essas oportunidades. Eis alguns exemplos de medos que podem ser trabalhados e como isso pode ser feito: medo de altura (pela volitação extrafísica), medo da morte (pela vivência extrafísica; decolagem do psicossoma), medo de consciex (pelos contatos extrafísicos; assistência extrafísica), medo da solidão (pelo contato com o amparo; identificação da dupla); medo de errar (vexame extrafísico) medo de coisas novas (descoberta de realidades mais sofisticadas e autoassistenciais), entre outros.

19. Mentalsoma. Por meio das projeções de corpo mental ocorre a expansão dos atributos mentaissomáticos, acima da vigília física ordinária, possibilitando vivências sem paralelos e de difíceis traduções para o linguajar limitado do dicionário cerebral. Em geral, o acesso à dimensão mentalsomática acaba se tornando um divisor de águas na vida projetiva daqueles que já experimentaram.

20. Minipeça. Com o desenvolvimento projetivo e com as projeções assistenciais se tornando ostensivas ocorre um reconhecimento da responsabilidade multidimensional como sendo uma minipeça consciente do maximecanismo. Isso faz do projetor não alguém arrogante, mas que confia no “próprio taco” e que trabalha ombro-a-ombro com os amparadores em serviços edificantes em favor de todos.

21. Originalidade. As projeções de psicossoma e de mentalsoma são um recurso inigualável para a obtenção de idéias novas, originais ou pioneiras. Ao ficarmos mais “livres” e menos limitados pelo corpo sobrevêm associações de ideias inesperadas, sugestões mentais de consciexes, entendimentos mais profundos, observações de ações sem parâmetros intrafísicos, aprendizados de novas técnicas e tecnologias, entre outros. Não existem invenções, existem descobertas.

22. Parapatologias. No âmbito da autopesquisiologia, para a consciência aberta e predisposta, pode ser feita a identificação de parapatologias pessoais já capazes de serem tratadas e autocuradas como, por exemplo: idéias fixas (monodeísmos), traumas retrossomáticos (cicatrizes psicossomáticas), automimeses dispensáveis (repetições improdutivas), desejos inconfessáveis (atrações extrafísicas), entre outros.

23. Pensene-padrão. Ao se conhecer aspectos mais personalíssimos da sua consciência, pode-se fazer um autodiagnóstico mais profundo quanto à qualidade da pensenidade e do pensene-padrão com base em existências anteriores. Saber mais sobre suas tendências pode ser mais útil do que identificar algumas fissuras conscienciais. A projeção é o grande ato descortinador de nossas deficiências, eficiências e metas a serem alcançadas.

24. Pensenidade. As experiências extrafísicas em geral são chocantes do ponto de vista pensênico (pensamentos, sentimentos e energias). É facilmente perceptível que no extrafísico pensamento é ação. Essa lição, quando observada na vida intrafísica, traz um entendimento prático quanto ao poder e a responsabilidade da pensenidade mesmo não apresentando tamanha rapidez. O pensene é poderoso em qualquer dimensão. Como você o utiliza no seu dia-a-dia?

25. Pesquisa. O que lhe interessa na vida humana? Quais assuntos te atraem? Basta responder essa pergunta para criar um alvo projetivo compatível com seus interesses e que trará grande satisfação-motivação ao ser bem sucedido. Devido à sua relação multidisciplinar, esses interesses podem ser, por exemplo: o físico que quer observar a ação de átomos, o espeleólogo que quer acessar cavernas inacessíveis sem risco de dessoma, entre outros. O que você sempre quis saber e que ninguém soube responder ou comprovar?

26. Procedência. Uma das maiores satisfações projetivas é justamente visitar sua terra-natal, mas não local onde você nasceu intrafisicamente. No caso, o local que você habitava antes de renascer (ressomar) ou a paraprocedência. Com isso, pode rever antigos companheiros e desfrutar daquele sentimento de estar “em casa”. A visita a esse local de habitação pré-ressomático pode trazer conseqüências e repercussões imprevisíveis ao projetor. Qual é a sua extraphysical hometown?

27. Psicossoma. A desenvoltura extrafísica vai sendo construída e fixada conforme vai se adquirindo maior equilíbrio emocional. Se sua vida emocional é desequilibrada e caótica provavelmente vai ser mais difícil sua permanência com o psicossoma projetado. Em vez de esperar por um equilíbrio satisfatório no cotidiano, por que não usar o momento noturno para ajudar no seu auto-aperfeiçoamento? O projetor ideal vive equilibrado, mas num crescendo do domínio psicossomático cada vez maior, até o momento da terceira dessoma (tritanatose).

28. Recexologia. As vivências projetivas acabam sendo uma quebra contínua de paradigmas pessoais: aquilo que não se acreditava se torna palpável, aquilo já se conhecia na teoria ganha novas e imensas proporções, aquilo que nem se conhecia se transforma em nova aquisição. Naturalmente o indivíduo vai construindo novos valores e novos paradigmas. Basta pensar em alguém extremamente materialista depois de uma projeção marcante. O projetor é sempre o primeiro a ser assistido.

29. Retrocognição. Assim como lembrar do período intermissivo, como já foi exposto, a projeção consciente facilita o tipo mais completo de retrocognição. Terapias de regressão, clarividências, entre outros fenômenos podem desencadear a lembrança de vidas passadas, mas na projeção há um envolvimento mais completo, sem contar que com o psicossoma está sem a interferência direta do cérebro e isso ajuda na rememoração extrafísica. A ignorância é a pior das carências.

30. Romances. Eventualmente é possível vivenciar situações amorosas, românticas e mesmo sexuais sadias (equilíbrio afetivo) patrocinadas pelos amparadores. Condição essa bem diferente dos vampirismos sexuais extrafísicos. Os romances sadios não geram ressaca energética e nem intoxicações pensênicas.

31. Solucionática. É comum ouvir pessoas dizerem que dormem com um problema e acordam com uma resposta. Ou seja, a projeção lúcida é uma ferramenta também para encontrar respostas ou resolver problemas. Existe uma resposta que pode colocar fim a uma aflição atual? O poder da consciência gera a saída da submissão no escuro para a interdependência no esclarecimento.

32. Tanatofobia. Este autor costuma dizer que se a projeção consciente tivesse “apenas” a vantagem de eliminar o medo da morte (dessoma), ou tanatofobia, já seria altamente recompensador a sua prática. Superar o maior dos medos humanos, que gerou tantos desvarios, tantas religiões, tantas insensatezes, torna qualquer programação existencial mais leve e produtiva. Frente à Holomaturidade, a vivência do senso de imortalidade expande a consciencialidade rumo à desperticidade lúcida.

33. Vexame. A projeção vexaminosa, ou envergonhativa, serve como uma tares promovida pelo amparo. Nessa projeção, uma situação acaba gerando a vergonha e mostra ao projetor, muitas vezes um bilionário da informação, quão infantil está agindo pelo egoísmo, pelos falsos reclamos e pelos caprichos. Daí sobrevém um sentimento de profunda reflexão e reavaliação quanto às próprias posturas. Esse tipo de projeção não demonstra sadismo por parte dos amparadores, mas o gesto sincero de esclarecer pelas experiências e pelo amor aos outros (fraternismo).

Vantagens assistenciais:

34. Assistencialidade. É a prestação de auxílio interdimensional frente às consciências necessitadas por meio das mais diversas tarefas assistenciais fora do corpo. A assistência, de um modo geral, é a ação mais óbvia e sólida quando a evolução se consolida nas manifestações íntimas. Uma das formas de se aferir o nível evolutivo é analisar a quantidade e a qualidade das assistências extrafísicas. Você anda retribuindo o investimento assistencial recebido até o presente momento?

35. Autodesassédio. Nos momentos mais críticos da pressão extrafísica o mais recomendável é a projeção objetivando o desassédio de consciências extrafísicas mal intencionadas. No entanto, esse desassédio não significa enxotar, afugentar ou expulsar as consciexes. Em muitos casos, o ideal é tentar assisti-los de acordo com a necessidade. Em outros momentos, principalmente no assédio franco, a limpeza e blindagem do ambiente é o mais indicado.

36. Buscas. A projeção da consciência atua como um instrumento consciencial de rastreamentos diversos. Além de vasculhar por objetos físicos em geral, pode ser mais bem utilizado na busca de pessoas projetadas, dessomadas ou desaparecidas. Eis um grande recurso a serviço das forças policiais na busca por criminosos, cemitérios clandestinos, entre outros.

37. Cirurgia. Geralmente feito como o auxílio dos amparadores, são promovidas extrafisicamente certas minicirurgias em pessoas necessitadas. Cabe lembrar que essa intervenção para-cirúrgica não depende apenas do projetor, mas da doença em questão e do papel exercido pelo doente, ainda que inconsciente da situação. Vale frisar que toda cura começa pela autocura. Minicirurgias: regulagens holossomáticas.

38. Consciencioterapia. Realizar práticas assistenciais com o objetivo de ser mais assertivo quanto às questões dos evolucientes. Aos consciencioterapeutas, a Projecioterapia atua como mais uma forma de remissão frente a traumas, questões indesejáveis e processos ainda obscuros a própria consciência. A rigor toda projeção é terapêutica, inclusive nas experiências assediadoras.

39. Cosmoética. Os eventos extrafísicos e os exemplos dos amparadores são a forma mais coerente de se conhecer e questionar sobre os aspectos mais sutis, complexos e paradoxais sobre a Cosmoética. A observação e os aprendizados extrafísicos são a mega-escola teática do princípio relativo ao “melhor para todos”. O limite do teoricão é, simplesmente, a ética.

40. Diagnósticos. Frente aos paradiagnósticos, a projeção lúcida pode ser usada como um eficiente recurso para realizar os mais diversos tipos de exames no extrafísico como a autoscopia e a heteroscopia onde o projetor consegue visualizar as partes internas de um soma (como órgãos, sistemas, entre outros), em certos casos, com uma precisão maior do que os recursos tecnológicos atuais (ano-base: 2016).

41. Desassédio. A projeção serve como um recurso tanto audodesassediador quanto heterodesassediador. Ou seja, a assistência e, em certos casos, a retirada de consciexes assumidamentes assediadoras ou mesmo perturbadoras (patológicas). Fazer o desassédio aos outros, como já foi dito, não é sinônimo expulsar ou de simplesmente rechaçar, mas é a ação cosmoética de prestar a assistência mais adequada ao momento. O assistenciólogo acolhe, o ególatra repele.

42. Dessomática. Um modo personalizado de se prestar assistência é atuar como um auxiliar na dessoma alheia. O projetor pode ajudar com suas energias na desativação corporal ou na desativação do energossoma (bitanatose). Sob a ótica da mentalsomática, o projetor atua como um auxiliar cosmoético da morte. Veja bem, nada da figura mitológica do ser de capuz negro que vem com uma foice tirar a vida dos “pobres humanos”. O ideal é desdramatizar (tirar o enfoque emocional) as dessomas: são mudanças de realidade e nada mais.

43. Especialismo. Ser profissional ou especialista de alguma função como, por exemplo: ajudar conscins a dessomarem (assistência a dessomantes), como o citado no item acima, ajudar consciexes a ressomarem (assistência a ressomantes), ajudar consciexes na qualidade de crianças extrafísicas em educandários, ajudar parapsicóticos a descobrirem que já dessomaram, ajudar consciexes carentes que precisam de um pouco de afeto, ajudar consciexes agonizantes a ter suas dores diminuídas ou cessadas, ajudar conscins projetores a se projetarem, entre outros. Você se identifica com algo?

44. Limpeza. A projetabilidade lúcida é um modo eficaz de promover a vistoria e o desassédio de um ambiente, como, por exemplo, a própria casa ou base física. Isso pode se tornar necessário após a saída de uma visita ou mesmo sem nenhum motivo justificável. Para se efetuar a limpeza energética de um ambiente basta certo domínio energético e a intenção assistencial. Essa “limpeza” visa uma higiene do ponto de vista multidimensional.

45. Manutenção. Para os tenepessistas, a projeção acaba sendo um recurso para a manutenção à distância da ofiex quando seu epicentro está ausente (viagem ou outro compromisso intrafísico). Dessa forma, a conexão e o trabalho de assistência permanece ininterrupto, mesmo o corpo físico estando distante. A ofiex é sinônimo de representatividade assistencial multidimensional.

46. Resgate. Uma das tarefas assistenciais nada convencionais com o intrafísico é chamada de resgate extrafísico. Ou seja, o projetor é requisitado pelo amparador e é encaminhado até uma comunidade extrafísica doentia para retirar de tal ambientex uma consciência que precisa ser assistida. Com isso, o projetor lúcido faz um serviço de resgate emergencial e socorrista a uma consciência necessitada.

47. Reurbanizações. Nas assistências mais ostensivas, o projetor pode atuar como um “coadjuvante”, consciente ou inconsciente, nas tarefas de reurbanização extrafísica (reurbexes). Dessa forma, ajudando na reestruturação energética de sítios e comunidades degradadas e na remoção de consciências reurbanizadas (consréus). Estaria o projetor-reurbanizador limpando seus próprios rastros do passado, vividos em paraprocedências habitadas por ele anteriormente?

Vantagens convivenciais:

48. Amparadores. Quando se conhece sobre projeção e as relações interconscienciais, uma das perguntas clássicas é: posso conhecer o meu amparador? A resposta para esse questionamento é: sim. Baseado numa convivência de amizade ou de cooperatividade, é possível identificar os amparadores e entender mais sobre sua atuação em nosso cotidiano. O amparador não é uma consciência inatingível. Podemos nos basear em 2 princípios: “cada um tem o amparador que merece” e “o amparador é um reflexo das nossas afinidades”.

49. Assimilação. É possível fazer assimilações energéticas com humanos e com animais. Com isso, pode-se adentrar mais intensamente em seus microuniversos para melhor entende-los ou para saber como ajudá-los. A assimilação simpática (Assim) pode ser feita na vigília física ordinária, mas acaba sendo potencializada e muito mais intensa durante a projeção por haver um menor restringimento extrafísico.

50. CL. Um tipo de personalidade desconhecida do grande público e que definitivamente não está nas enciclopédias é a Consciex Livre (Conscientia Líber). Conhecer a realidade das Consciências Livres, que são seres extremamente evoluídos que não renascem mais, não é apenas um privilégio, mas um profundo divisor de águas conforme os relatos daqueles que já se depararam com esse nível de contato. A Consciência Livre é o ápice da evolução que conseguimos enxergar.

51. Convivialidade. Um objetivo que parece simples e meramente intrafísico é o de conhecer consciências extrafísicas no intuito de fazer amizades e vínculos interconscienciais. Extrafisicamente as consciexes não se apresentam com um “documento de identidade” que diz: sou seu amparador ou coisa do tipo. Fazer amizades significa conhecer a aprender com indivíduos de todos os tipos e de todos os gabaritos extrafísicos. As verdadeiras amizades são multimilenares.

52. Desaparecidos. As experiências projetivas são um recurso para acessar consciências. No entanto, pode ser utilizada como um recurso investigativo para localizar pessoas tidas como desaparecidas ou seqüestradas. O projetor tende a ser capaz de distinguir se essa pessoa desaparecida está dessomada ou onde se localiza o cativeiro. Já há inúmeros países que contam com parapsíquicos nas investigações policias, mas quando os projetores poderão contribuir com mais um tijolo investigativo nessas ocorrências?

53. Encontros. A projeção não deve servir apenas como recurso para “aliviar a saudade ou o apego” de pessoas já falecidas. Contudo, feito de forma sensata e com responsabilidade acaba sendo um meio marcante e inigualável de reencontrar parentes e amigos. Veja bem, uma coisa é um reencontro eventual e outra é querer não se desprender da consciência em questão. Os amparadores patrocinam essas situações de modo saudável e comedido. O assédio mais cruel começa pela idéia fixa.

54. Evoluciólogo. Com o aprofundamento da projetabilidade, acaba sendo inevitável o reconhecimento daquele amparador mais presente e confiável que é o orientador da evolução pessoal, mais conhecido por Evoluciólogo. Essa afinidade é o ponto de partida para a qualificação da interassistencialidade e do entrosamento mais qualificado entre amparador e amparado. Um maxiproexista nunca trabalha sozinho.

55. Evolutividade. Extrafisicamente, o projetor pode atuar freqüentemente como um indagador frente às consciexes (um entrevistador) para todo tipo de consciência. Por meio dessa postura será possível constatar, na prática, a existência de diferentes níveis evolutivos. Quem gosta de pessoas têm muito que aproveitar com todos os tipos de contatos existentes e possíveis. Sem a conscienciofilia o projetor é um mero expectador autista.

56. Filho. No sentido de antecipação, é possível identificar ou conhecer a consciência que futuramente ressomará como filho ou filha. Essa consciência pode se apresentar, inclusive, antes mesmo de ter acontecido a fecundação. Isso acaba sendo uma projeção importante, pois, a partir do contato feito, pode-se ver quais as suas tendências e mesmo qual a linha de sua programação existencial. Você gostaria de ter pais projetores que tivessem uma noção mais precisa de suas metas existenciais? Tem idéia do que isso representa?

57. Grupocarma. A rigor, todas as pessoas do planeta compõem um gigante grupocarma. Entretanto, a projeção lúcida ajuda na compreensão e no reconhecimento, com maior eficiência, do grupocarma mais próximo, ou grupo evolutivo, seja ele intra ou extrafísico. Quais são suas companhias extrafísicas? Quais são suas companhias multiexistenciais?

58. Heterodespertamento. O projetor veterano tem a projeção como uma ferramenta paradidática. Isto é, utiliza-se para eventualmente promover o heterodespertamento de uma outra personalidade no extrafísico. É um recurso mais voltado ao aprendizado, pois qualquer dependência por parte do projetor iniciante classifica-se como uma ectopia evitável. Não se tira as pessoas do corpo por mera esportividade dimensional. A intenção há de caminhar sempre ao lado do discernimento.

59. Identificação. É possível identificar extrafisicamente qual o aprofundamento ou o seu histórico com uma determinada pessoa. Isto é, saber quais as afinidades e os vínculos seculares. Muita gente se pergunta: “tenho tanta afinidade (ou antipatia) com tal pessoa que gostaria de saber de onde vem esse sentimento”. Por meio da projeção é feita uma autoinvestigação sobre as raízes dessa relação.

60. Retratação. As convivências distorcidas e repletas de ruídos, mágoas e rancor não precisam ser acertadas apenas depois da “morte” ou na próxima vida humana. A personalidade evolutivamente mais inteligente vai limpando e reajustando, ao máximo, suas questões mal resolvidas. No estado projetivo é possível encontrar várias consciexes e fazer retratações com as mesmas. Você já usou algum fenômeno para fazer retratações?

61. Serenão. Uma situação convivencial de ponta (know-how; top line; “filé mignon”) é ter o privilégio, alcançado pelo próprio esforço e por meio das autorreciclagens, de fazer uma entrevista extrafísica com um Homo sapiens serenissimus, ou Serenão. Você já se sente preparado para encontrar uma consciência altamente evoluída sem se deixar enfeitiçar pelo poder da consciencialidade? Ainda sofre de gurulatria paralisante? O Serenão tem no autoexemplarismo a tares magna.

62. Sinalética. O convívio extrafísico e mais próximo com todo tipo de consciência permite pouco a pouco a aquisição e a identificação das sinaléticas pessoais, principalmente no que identifica o padrão dos amparadores, guias-cegos e dos assediadores. Tendo pelo menos a clareza da manifestação dessas consciências distintas, o projetor atua com mais confiança na assistência e fica mais atento frente à autodefesa energética em situações diversas. Quanto maior a lucidez, maior a tendência de se identificar as sinaléticas assertivamente.

Vantagens gerais:

63. Acesso. Uma vantagem projetiva é a visitação a locais intrafisicamente proibidos ou interditados. Nesse caso é preciso tomar cuidado frente à ética multidimensional (a Cosmoética). Ir a locais proibidos não deve implicar em espionagem ou invasão de privacidade, mas sim na oportunidade de fazer observações pertinentes e assistenciais. A projetabilidade lúcida patrocina a vivência da consciência incarcerável ou inaprisionável.

64. Autocomprovação. Há um fosso gigantesco entre a teoria e a prática. A experiência fora do corpo é um atributo consciencial capaz de fazer a “ponte sólida” entre a teoria e a prática justamente por ser um modo de comprovar (para si mesmo) a realidade da multidimensionalidade, da multiveicularidade e da multiexistencialidade. Uma coisa é saber da existência dos veículos de manifestação, outra é poder atuar lucidamente por eles. Uma coisa é saber das múltiplas dimensões, outra é visitar lucidamente ambientexes de todos os tipos. Uma coisa é acreditar nas múltiplas existências, outra é se observar em vidas passadas ou em uma vida futura.

65. Catalepsia. A projeção consciente serve, inclusive, para aproveitar a sensação incômoda e pouco confortável da catalepsia para usá-la como um “trampolim” projetivo. A catalepsia caracteriza-se pela paralisação generalizada do próprio corpo durante o sono, numa completa ausência de movimentos, mas que mantêm a atividade mental normal e ativa. Catalepsia é oportunidade.

66. Ciência. Com a “massificação” de projetores conscientes será possível ajudar a Ciência Convencional a resolver e rever suas bases e uma série de contradições ainda não respondidas. É possível um psicólogo-projetor atuar apenas com as pesquisas intrafísicas de sua área? Sim, é possível. Mas será o mais assistencial, multidimensionalmente falando? A vivência do paradigma consciencial muda drasticamente toda a base científica.

67. Clarividência. Extrafisicamente, o projetor acaba executando a clarividência extrafísica em alto nível e nas mais diversas formas. Para alguém condicionado à visão oferecida pelo corpo humano, é surpreendente poder utilizar a visão de 360°, visão em zoom, visão raio-X, visão mono-ocular, visão dupla, visão extrafísica associada com a clarividência viajora, clarividência retrocognitiva, entre outros.

68. Conscienciês. Uma nova e marcante aquisição intraconsciencial é a comunicação de informações em bloco pela linguagem universal chamada conscienciês. Essa comunicação direta de mentalsoma para mentalsoma é o meio mais sofisticado conhecido até o presente. Como seria a sua manifestação se houvesse a junção ou convergência de todos os fenômenos parapsíquicos expandidos, ao mesmo tempo? Isso é justamente o conscienciês. Toda manifestação parapsíquica é uma extrapolação parcial do conscienciês.

69. Cordão. Uma possibilidade um tanto inusitada, mas nem sempre fácil, é o reconhecimento e a identificação do cordão de prata. Essa análise ajuda na verificação de sua potencialidade (vigor) e no maior conhecimento da anatomia-fisiologia do próprio holossoma. O medo de se projetar e não voltar ao corpo é típico de quem nunca sentiu a força do cordão de prata.

70. Cosmoconsciência. Na dimensão mentalsomática o projetor lúcido é capaz de expandir suas percepções até atingir o estado da cosmoconsciência. Nesse fenômeno, onde a pessoa se sente unida ao universo, como se ambas fossem uma só, é outro divisor de águas em qualquer existência. Esse estado pode acontecer também na dimensão intrafísica, durante a vigília física ordinária, mas acaba sendo muito mais intenso durante a projeção justamente pela maior liberdade e menor limitação.

71. Decolagem. Uma vantagem básica que ajuda grandemente no desenvolvimento projetivo é o domínio da decolagem do psicossoma. Dessa forma, o projetor não apenas mantêm seu nível de lucidez mais homogêneo como qualifica a soltura do energossoma-psicossoma de modo sadio e homeostático. Você já teve a sensacional percepção de estar “descolando” do próprio corpo? Se a projeção consciente é o marco da existência de outros corpos, a decolagem é o triunfo sobre a somática.

72. Dimensões. A vida extracorpórea permite o conhecimento de diferentes dimensões e de seus distritos extrafísicos. A aptidão para viagens, e para conhecer locais e pessoas novas, faz da projeção lúcida um instrumento sempre motivador. Obviamente, que a sua utilização apenas para fins turísticos e de lazer é um tremendo desperdício de oportunidade. Mas o que você, leitor ou leitora, me diz da condição de poder estar em milhares de locais, pertos ou incrivelmente distantes, a cada noite e tendo retorno imediato ao corpo sem problemas de transporte e sem custo financeiro. É uma proposta atraente?

73. Elasticidade. Por meio da projetabilidade também é possível deformar a forma humanóide do psicossoma transfigurando-o do modo que achar mais conveniente (antítipo extrafísico). Essa capacidade de elasticidade permite o reconhecimento de nossa própria fisiologia, além de poder identificar, em nós e nos outros, desejos inconfessados e até desconhecidos, mas que se apresentam evidentes em transfigurações no extrafísico. O psicossoma é o corpo dos desejos.

74. Eliminação. Com o passar das múltiplas vidas, o mais óbvio e racional é que chegaremos ao nível da autoconsciência contínua, ou seja poderemos eliminar de nossa manifestação tanto a hipnagogia (na decolagem) como a hipnopompia (no retorno). Isto significa a ausência da rememoração dos eventos projetivos por estar, o tempo todo, lúcido no trânsito interdimensional. Eventualmente é possível a realização de projeções de autoconsciência contínua pelo extrapolacionismo desse nível ainda desconhecido. Você está psicologicamente preparado para ficar lúcido, o tempo todo, durante várias semanas, sem a necessidade de “apagar”?

75. Exoprojeção. Vivências esclarecedoras e educativas em outros planetas e no universo em geral. Eis alguns alvos relativos a Exoprojeciologia: ver o planeta Terra do espaço (como fazem os astronautas), caminhar na superfície de um outro planeta (Marte, por exemplo), checar a natureza e função de um buraco-negro, vislumbrar a visão de uma galáxia (como a nossa Via-láctea, por exemplo), visitar um planeta habitado e mais desenvolvido que o nosso, averiguar eventos e manifestações cosmológicas ainda desconhecidos pela astronomia, entre outros.

76. Fenomenologia. Uma forma de expansão da própria potencialidade e da realidade é a experimentação dos mais diversos, complexos e extravagantes fenômenos parapsíquicos. É importante ressaltar que nem todo fenômeno já foi descoberto e catalogado e tudo que amplia a consciencialidade é valido desde que usado com discernimento. Os fenômenos são aditivos para a assistência e para a supremacia da lucidez no cosmos.

77. Fuga. Em casos mais extremos, a projeção serve como um modo de fuga de situações dolorosas ou de acidentes físicos, atuando como um refúgio da consciência. Geralmente acaba sendo um reflexo instintivo do holossoma que ao passar por uma situação difícil acaba “liberando” o psicossoma do corpo. Geralmente é um tipo de ação sadia e até patrocinada por amparadores. Contudo, se projetar premeditadamente e insistentemente para fugir da vida humana é tolice crassa.

78. Hiperacuidade. Uma observação oferecida pela projeção é olhar a vida humana sob um novo prisma, checando a vida e a realidade de um ponto de vista além do convencional. Isso permite a obtenção de maior visão de conjunto frente ao universo e ao maximecanismo evolutivo. Utilizando-se conscientemente dos atributos de vários corpos e acessando informações mais avançadas, chega-se à hiperacuidade da noção de como as coisas se manifestam e de quem realmente somos como consciência.

79. Holossoma. Outra forma de autocomprovação é a prova da existência do holossoma. Quanto mais a consciência conhece seus veículos, melhor ela pode dominá-los. Contra esse fato não há muitos argumentos. Apenas “saber” teoricamente que existe o mentalsoma não resolve muitos bloqueios energéticos na cabeça. Mas o entendimento prático, profissional e responsável, ajuda no reequilíbrio dos demais por meio de outros corpos ou trafores conscienciais.

80. Intensificação. As práticas bioenergéticas podem ser praticadas e treinadas durante a projeção justamente pela presença do energossoma. Dessa forma, é possível aperfeiçoar e intensificar o EV, ou estado vibracional. Em geral, pela expansão do parapsiquismo, o EV extrafísico tende a dar mais confiança por mostrar ao projetor qual a extensão da sua real potencialidade. No atual momento evolutivo, não há outra maneira de dominar as bioenergias senão pelas repetições exaustivas. Autoconfiança é autorrepetição.

81. Materialização. Um projetor com certo gabarito bioenergético é capaz de realizar não apenas a telecinesia intrafísica (estando projetado) como também a materialização de objetos, em geral pequenos. Por meio do ectoplasma, um morfopensene pode ser densificado ou objetos físicos já existentes acabam sendo teleportados. A materialização pode servir como um recurso paradidático, mas ainda é uma conduta exceção frente à projetabilidade.

82. Materpensene. O projetor consciente é capaz de identificar não apenas o holopensene de locais e pessoas, mas, inclusive, o materpensene. Entenda materpensene como sendo a raiz ou a origem das outras pensenidades. Essa precisão torna tudo mais claro e límpido do ponto de vista multidimensional. Qual o materpensene dos seus pensamentos? E das suas ações? Qual o materpensene da sua proéxis? Qual o materpensene da sua procedência extrafísica? Materpensene é bússola.

83. Morfopensene. Não há outro modo de entender os morfopensenes a não ser a experiência direta. Essa habilidade permite criar no extrafísico objetos, cenas, pessoas e ambientes inteiros pela vontade e prática. É comum muitos seres apenas descobrirem certas habilidades depois da dessoma. Mas será essa a postura ideal? Ao projetor não basta apenas entender a realidade morfopensênica, mas, principalmente, ir aperfeiçoando seu controle. Muitos nem sabem que morreram (parapsicose post-mortem), outros nem sabem que nasceram (parapsicose post-vita).

84. Multilocação. Em primeiro lugar, cabe a cada um o papel de comprovar as premissas conscienciológicas. No entanto, um evento que pode servir de referência é o fenômeno da materialização intrafísica. Ou seja, a conscin sai do corpo físico e, por meio das energias do energossoma, acaba densificando o psicossoma a ponto de materializá-lo na dimensão intrafísica. É um evento controverso, mas que já foi relatado diversas vezes ao longo da história, inclusive a multilocação. Provavelmente é o evento que consiste na “real” autobilocação.

85. Parafatos. O conhecimento e o entendimento dos fatos intrafísicos a partir dos eventos extrafísicos e suas inter-relações. Dessa forma, consegue-se ir a fundo nas questões ao invés de ficar na superficialidade da análise do fato apenas no contexto materialista. Há contradições e aparentes absurdos que, na verdade, são condutas cosmoéticas e é por meio dos parafatos que se torna possível a nossa compreensão sobre, por exemplo, o Paradireito, a Paradiplomacia e a Parafatuística.

86. Paratecnologia. Em outras dimensões é observado o uso de aparelhagens extrafísicas (paratecnologia) para as mais diversas finalidades. O entendimento desses instrumentos favorece tanto a interação como a aquisição de idéias originais para novos equipamentos a serem desenvolvidos na dimensão intrafísica. Você já percebeu alguma paratecnologia atuando sobre você?

87. Precognição. Por meio da projeção lúcida, torna-se mais fácil o acesso a informações sobre acontecimentos futuros relativos ao grupocarma mais próximo ou a grandes eventos. A precognição é um tema neutro, isto é, não é nem sadio e nem patológico. Cabe ao projetor usar o discernimento para usar essas informações para que aconteça o melhor para todos. Vale frisar que eventos futuros são probabilidades e podem ser modificados. Maturidade é enxergar o que há de mais assustador sem se infantilizar pelo medo.

88. Profilaxia. Mesmo que não seja a intenção do projetor, suas experiências extrafísicas podem levá-lo a constatações de movimentações insuspeitas no intrafísico que podem levá-lo a fazer a profilaxia, caso seja necessário, sobre determinadas questões que merecem atenção. Eis alguns exemplos sobre a profilaxia baseada em parafatos: dessoma iminente de parente próximo, sabotagens diversas, acidentes de percurso pela falta de organização, atitudes anticosmoéticas evitáveis, entre outros.


89. Psicometria. No deslocar entre as dimensões, seja física ou extrafísica, o projetor utiliza sua capacidade de psicometria (leitura energética) para identificar os padrões de energias e os holopensenes gerais. Essa capacidade de decodificação qualifica a anamnese das consciências e do nível evolutivo de um local. Você ainda se sente um analfabeto energético, que não sabe fazer a leitura das energias por onde vai? A Parapercepciologia diploma a paralfabetização.

90. Mentalsomática. Uma nova forma de ver o universo é experimentar a projeção de mentalsoma. Através dessa projeção consciente, é possível a interação com a dimensão mentalsomática, distante do tempo e do espaço do modo como conhecemos. Os contatos e as conversas são bem diferenciadas bem como todo seu contexto. Seria a dimensão mentalsomática, a rigor, a verdadeira procedência extrafísica?

91. Rastreamentos. A projeção consciente permite que o projetor a faça os mais diversos rastreamentos de acordo com a necessidade. Eis, segundo a Intrafisicologia, alguns alvos para serem rastreados: minerais, fósseis, objetos escondidos, asteróide, entre outros. Não há segredos extrafísicos, pois quanto maior é a lucidez maior também será a sabedoria.

92. Rememoração. No contexto de afinidade, popularmente se diz que dinheiro atrai dinheiro. Consciencialmente, diz-se que projeção atrai projeção. Um tipo de vantagem projetiva é recordar projeções conscientes que anteriormente foram esquecidas. Em certos casos, tivemos vivências extrafísicas marcantes e intensas que acabaram não sendo rememoradas. Essa rememoração retardada minimiza a falta de lucidez ou de preparo de outrora. Você é um projetor e um rememorador veterano?

93. Sensoriamento. Extrafisicamente é possível uma observação mais acurada e detalhista de bagulhos energéticos, isto é, de objetos poluídos energeticamente que evocam e desorganizam um recinto por completo. Esse bagulho é uma realidade patológica indefensável. Você ainda mantém em seu quarto, ou em sua casa, armas de fogo ou meras espadas decorativas? Ainda acredita no argumento falacioso da “arma branca”? Todo objeto patopensênico é um link rápido e de fácil acesso aos assediadores extrafísicos.

94. Série. Com o desenvolvimento projetivo, torna-se comum a realização de várias projeções seriadas em uma única noite. Essa condição qualifica cada vez mais a produtividade extrafísica e a fixação da assistencialidade ostensiva. Quem se projeta com lucidez pelo menos uma vez por semana terá, em média, 52 experiências por ano. Quem se projeta quase todas as noites terá algo em torno de 300 vivências ao ano. E quem tem em torno de 2 a 3 projeções por noite?

95. Sonho. Com as repetições projetivas a conscin acaba sabendo distinguir entre o que é sonho (fantasia) do que é realidade extrafísica. Isso gabarita o projetor a ultrapassar o Estágio das Provas (de acordo com a escala de Autoconsciência Contínua). Valorizar os sonhos em detrimento das experiências extracorpóreas é, analogamente, o mesmo que comer a casca e jogar a banana fora. Não se pode desconsiderar o sonho, mas é um item secundário justamente por ser unicamente cerebral. O foco mais inteligente é o real ou o onírico?

96. Telecinesia. O fenômeno da telecinesia é aquele em que a conscin movimenta um objeto físico sem encostá-lo, apenas pelas energias. O projetor pode fazer esse tipo de ocorrência a partir do extrafísico, o que denota um grande potencial energético. Como já foi observado, os Serenões não apenas fazem a telecinesia como até mesmo a desmaterialização. Quanto maior é a evolução, maior é o domínio da consciência sobre a matéria.

97. Transmigração. Um evento que pode ser acompanhado extrafisicamente é a transmigração de consciências sadias e patológicas. A transmigraciologia extrafísica é a partida de consciências para ressomarem em outros planetas. No universo tudo é ação e a evolução acontece em múltiplos níveis, dimensões e planetas intrafísicos. Será uma simples coincidência estarmos ressomados, em uma mesma época, num planeta hospital?

98. Turismo. As projeções lúcidas podem ser utilizadas para eventualmente serem utilizadas com finalidades turísticas e de lazer. Dessa forma, viajar e conhecer os locais de interesse, tudo em uma única noite, tudo partindo de dentro do seu quarto. Lembre-se que a responsabilidade é um trafor indispensável a todos os seus projetores. Por isso, não há nenhum problema de eventualmente desfrutar de experiências relaxantes e prazerosas como forma de alívio psicológico. Você tem predisposição apenas para o prazer e o hedonismo?

99. Upgrade. Frente ao neoparadigma científico (consciencial) a projetabilidade é uma forma de fazer ajustes, refutações e aperfeiçoamentos frente à ciência Conscienciologia e suas diversas especialidades ou ramificações. Como você, conscienciólogo ou consciencióloga, lida com a informação de que cada especialidade conscienciológica deveria ter, no mínimo, o tamanho de um tratado para realmente haver uma base de pesquisa. Qual a sua especialidade básica, ou materespecialidade?

100.Volitação. Uma ação teoricamente banal mais muito marcante, agradável e com euforia indizível é a volitex, ou volitação extrafísica. Esse controle sutil e sofisticado de controlar o próprio vôo, aparentemente centrada na paracabeça, traduz a sensação de incrível liberdade e de desligamento com a vida humana. Um evento tão marcante que cada vez mais aparecem pessoas envolvidas com atividades de aviação, algumas claramente portadoras do saudosismo extrafísico ou saudosismo da volitex.


Considerações finais

Cosmoética. Cabe lembrar que assim como foi feita essa listagem de enfoque evolutivo-assistencial, é possível utilizar esses fenômenos de modo imaturo ou anticosmoético. No entanto, tal procedimento é assediador e desnecessário. Este é um alerta para que nenhuma consciência desavisada e ingênua quanto à autorresponsabilidade se aventure nessas áreas patológicas e doentias. Se você utiliza a projeção com alguma finalidade egoística ou sem cosmoética, não estará na hora de rever as suas ações? O grande tolo é aquele que sabe que está se prejudicando e, ainda assim, continua a se arruinar.
Relevância. As consciências teáticas, que colocam a mão na massa, em geral, valorizam e priorizam as projeções conscientes. Já o famoso “teoricão”, preso as teorias e as filosofices, tende a valorizar mais a Conscienciologia em si, esquecendo-se da Projeciologia, mas a proéxis se cumpre através da prática e da realização. Depois da apresentação da listagem acima e pelas suas próprias experiências, você já entendeu de fato a relevância do desenvolvimento projetivo? Qual o nível dos seus esforços frente ao domínio da projetabilidade?

A aplicação de um conhecimento é muito mais importante do que qualquer conjunção teórica. Sem informação, qualquer ferramenta pode se tornar um instrumento sem uso, inútil ou mesmo indesejável perante a evolução consciencial.


Este texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!
  
Por Alexandre Pereira.


7 comentários:

  1. Bom dia. :) Espero um dia poder viver só para escrever sobre as minhas ideias. Ia ser divertido. :)

    "7 Razões para não fazer Tenepes" - Neste tema existe algo para ser revelado. "Toda gente já faz Tenepe, mesmo sem saber"

    A ligação que nos prende ao Universo providencia a pratica constante de tenepes durante o dia a dia.

    O que poucos fazem é reconhecer ou tomar consciência de que a estão fazendo.

    Todas as consciências trabalhão arduamente e sem interrupções, e isso acontece sem o consentimento do mental (que critica, julga e separa). A consciência é a essência em ação e não necessita de qualquer autorização para SER, pois já é essência.
    Beijokas e obrigado por esta oportunidade de comentar.

    ResponderExcluir
  2. A projeção tambem não serve para que o corpo físico descanse ? nos precisamos sair para que o corpo fisico durma ? ou, podemos ficar no intra físico enquanto o corpo dorme ?
    o corpo dormiu náo saimos ou o corpo dorme com a consciencia dentro dele ?
    o corpo dormiu a consciencia saiu ?
    se a consciencia precisa sair para que o corpo durma, então temos o item de numero 101 ?
    se a cosnciencia nao sair projetada o corpo não consegue dormir ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a experiência mostra que dormir é basicamente sair do corpo. Entretanto, generalizar é sempre complicado pois, por exemplo, já vi relatos de orientais que dizem ficar em estado meditativo durante o período do sono (eles nem sequer deitam, pois ficam sentados a noite toda). Nesse caso eles estão sempre fora do corpo? Ou é basicamente um estado de transe? Entendi sua colocação, mas quem precisa dormir é o corpo e a projeção nesse caso é uma consequência fisiológica e não uma vantagem propriamente dita. Abs!

      Excluir
    2. Achei o post excelente! Agradeço pela tares que recebemos. E quanto a essa questão do sono, gostaria de contribuir com a seguinte opinião:

      1 - O sono, embora pareça um estado de descanso do corpo, é um período cíclico em que o nosso cérebro varia em vários níveis de atividade, por exemplo, o sono mais profundo está relacionado com o processo de consolidação de memórias cerebrais. Quando envelhecemos, temos mais dificuldades para descansar o corpo em função de alguns hormônios que ficam desregulado, nessa situação, nosso sono fica mais superficial e temos mais dificuldades em consolidar memória.

      2 - A fase do ciclo de sono em que ocorre a PC (projeção consciente) é o sono REM, de movimentos rápidos dos olhos, nessa fase, nosso sistema biológico assume um comportamento muito similar ao da vigília. Entretanto, essa é uma das 5 fases do sono.

      3 - Nas primeiras horas de sono, passamos menos tempo na fase REM (em que ocorre a PC). Tomando como exemplo um caso geral em que uma pessoa dorme 8 horas, nas primeiras 4 horas a pessoa vai oscilar entre esses períodos diferentes de ativação cerebral e vai ficar em média 1/3 do tempo em sono REM. Já na segunda parte do sono (as outras 4 horas restantes) a tendência é aumentar a taxa de sono REM, chegando a 2/3 do período total.

      Conclusão:
      O sono é um processo fisiológico que regula os vários sistemas que compõe o nosso organismo biológico (corpo ou soma), inclusive é essencial para a consolidação das memórias. A PC pode ocorrer durante uma parcela desse processo que é o sono, mas não durante o tempo todo, pelo menos não com esse nível de desenvolvimento cerebral de homo sapiens que temos. Então, não considero factível a hipótese da lucidez permanente com esse tipo de soma. Mas essa opinião está limitada ao meu entendimento e o que eu consegui absorver das pesquisas sobre cérebro da ciência convencional. Ainda há muito para ser descoberto. Então, vamos em frente! Abraços...

      Excluir
  3. muito bom caro alexandre!posso dizer que ja sai do corpo de forma conciente e vi meu cordão de prata e ate toquei nele,ja tive algumas vezes exo projeção, ver a terra do espaço me emocionou muito,eu sou meu proprio laboratorio, mas a muito a aprender, caro amigo!!

    ResponderExcluir
  4. Este assunto me interessa muito....mas os artigos são muitos extensos....devem ser mais objetivos e curtos, para fixar os interessados em saber. ..
    Luiz Ribeiro

    ResponderExcluir