10 dicas para a Escrita

09:00:00 Administrador 1 Comments

Quando se objetiva a realização de pesquisas e publicações voltadas a tarefa do esclarecimento e com enfoque assistencial, muda-se totalmente a dinâmica da escrita. A realização de uma gescon (gestação consciencial) é atividade séria de ampla responsabilidade que envolve vários processos como, por exemplo, o trinômio evocação-iscagem-desassédio. No contexto de aceleração da escrita conscienciológica, segue abaixo 10 dicas resumidas, entre muitas outras possíveis, para o aperfeiçoamento das redações conscienciográficas, já supondo que o tema está definido:

1. Trabalho energético. É inteligente antes de toda atividade que envolve a multidimensionalidade, como a escrita, ser iniciada trabalhando as próprias energias. No entanto, é válido fazer o sensoriamento (leitura energética) de como está você e o ambiente ao redor. Além do EV, obviamente, exteriorize bastante bioenergia em sua casa e no local dedicado a escrita. Dessa forma, crie um local com energias gravitantes (holopensene) de padrão mentalsomático. No caso de outra sugestão direta, a técnica do circuito corono-frontochacra auxilia na ativação dos chacras encefálicos.

2. Técnica do aquecimento neuronial. A técnica do aquecimento neuronial é a preparação antecipada dos 2 hemisférios, por meio de leituras direcionadas, que podem ter um período de imersão específico com elaborações autopensênicas mais complexas. Dessa forma, ocorre uma agudez do pensamento e uma inclinação mais profunda quanto a inteligência e a hiperacuidade. Assim a mentalsomática permanece nutrida e em boa forma permitindo desempenhos mais qualificados e taquipsíquicos. O hábito da técnica predispõe um acesso maior a holomemória e o sobrepairamento da paragenética.

3. Organização geral. Para otimizar a escrita é importante a organização de diversos pontos como, por exemplo, o tempo e o local. Em relação ao tempo, quanto mais cimentada for a rotina de escrita, melhor será o efeito. Isto é, reservar um horário similar, se possível, para escrever diariamente. Quanto ao local, é impreterível que a mesa onde estão os papeis, canetas e computador esteja organizada, pois é muito mais difícil pensar com clareza em um ambiente entrópico. Enquanto muitas áreas as Socin (sociedade) valorizam os momentos de inspiração, a Conscienciologia valoriza a rotina criativa.

4. Antidispersão. Um ponto que geralmente acarreta conflito aos candidatos a escritor é a dispersividade que, em outras palavras, é a perda real de tempo, energia e oportunidades. Para criar um clima de maior atenção e concentração, certifique-se de desligar (ou silenciar) o celular, a televisão e a internet. Nada de entrar no e-mail ou “justificadamente” em sites de notícias. Durante a escrita não existe internet nem qualquer outra distração. Observe também se a luz, a temperatura e o ambiente estão adequados para o isolamento intelectual. Não menospreze nada pois, dependendo do caso, até porta-retratos podem ser dispersivos.

5. Entrosamento com amparadores. Em um processo de escrita tarística, (tares) quanto maior o entrosamento com amparadores técnicos também maior será a tendência de qualificação multidimensional do texto. Importante ressaltar que o padrão das consciexes envolvidas na gescon são especialistas na mentalsomática e, portanto, a conexão é de base mental. Ou seja, mantenha-se antenado aos lampejos, ideias, frases, flashs e todas as expressões do parapsiquismo por mais breves e “insignificantes” que possam parecer. Uma pessoa criativa é meramente inventiva ou forte captadora de ideias?

6. Esquematizações diversas. Em muitos casos, é importante fazer uma série de esquemas para geometrizar as ideias e contextos principais para favorecer o roteiro de escrita. Dessa forma, fazer desenhos esquemáticos, usar palavras-chaves, listar pequenos sumários de um capítulo, fechas indicativas, entre outros, fazem diferença na segurança e clareza sobre a argumentação futura. Outra boa prática, quando se pega o jeito, é compor enumerações onde as principais ideias são agrupadas em itens que podem ou não serem incluídos na composição dependendo da necessidade ou profundidade do assunto abordado.

7. Técnica do brainstorming. Uma excelente técnica para a captação e associação de ideias é o temporal de ideias (brainstorming) que consiste em colocar no papel todas as palavras-chaves relativas a um assunto sem avaliação ou censura de nenhuma informação. Depois de finalizadas as palavras associativas, são feitas análises e seleções de cada item para verificar os níveis de compreensão e correlação não pensadas ou desconhecidas até o momento. Esse tipo de prática auxilia muito a expansão mentalsomática e a visão de conjunto (cosmovisão).

8. Consulta aos artefatos do saber. Para aumentar sua capacidade de entendimento e argumentação utilize o máximo de itens dos artefatos do saber. Desse modo, vasculhe sua biblioteca pessoal e outras que tiver acesso como, por exemplo, a Holoteca em Foz do Iguaçu. Outra fonte rica de informações é o cosmograma por trazer matérias selecionadas em uma temática específica ou assuntos similares. Com isso, aprofunde tudo relacionado ao tema em questão, de dicionários a outras tecas, que tragam diferentes níveis de compreensão ainda não experimentados. “Uma coletânea de pensamentos é uma farmácia moral onde se encontram remédios para todos os males” (Voltaire).

9. Participação em colégios invisíveis. O nome colégio invisível geralmente é confundido com uma instituição extrafísica ou parainstituição quando, na verdade, não tem nada de multidimensional. Os colégios invisíveis na ciência convencional e conscienciológica reúnem diversos pesquisadores e interessados em áreas específicas ou temas centrais que interagem à distância e trocam informações de ponta sobre suas pesquisas. Participar de colégios invisíveis conscienciológicos permite o debate e o intercâmbio que enriquece a escrita e potencializa os resultados.

10. Manutenção da automotivação. Encontre algo que seja uma chave motivacional para você na manutenção da escrita. Para alguns autores escrever o texto na formatação de livro, vendo o crescendo e a formato final, pode ser muito satisfatório. Para outros autores, a ação de imprimir diariamente as páginas que forem criadas e acompanhar o crescimento gradual do volume da obra permite grande motivação. Nesse ponto não há uma sugestão específica pois trata-se de um item pessoal. O ideal é o escritor que vive o trinômio automotivação-trabalho-lazer.

Para aprender ou desenvolver a grafia há 3 procedimentos básicos: escrever, escrever e escrever. As sugestões listadas acima servem como aditivos para a qualidade da pesquisa mas não são essenciais. A rigor, para escrever basta sentar e escrever. Não fique sentindo-se na obrigação de fazer cada um dos itens antes ou durante suas seções autorais. De modo geral, caso você tenha dificuldade na comunicação escrita, saiba que um bom autor é aquele que faz muitas leituras, dá valor as heterocríticas, escreve muito e, se preciso, faz a leitura em voz alta das suas frases.

Outra observação é que nesse processo de escrita tarística vale prestar atenção quanto a diferença entre pausa e procrastinação. Ou seja, se você estiver cansado, depois de certo esforço, é normal e saudável fazer uma pequena pausa antes de retomar a atividade. Outra coisa bem diferente é a arte da enrolação (procrastinar) de quem resolve, antes ou no início da escrita: se alimentar, ir ao banheiro, abrir o e-mail, consultar redes sociais, mexer no celular, assistir um vídeo, e assim por diante, desperdiçando o tempo com uma produtividade mínima. A megagescon é fruto da incorruptibilidade autoral.

O livro multiplica a consciência do autor.” - Waldo Vieira.


Sugestão de leitura: o lançamento recente pela editares “Qualificação Autoral: aprofundamentos na escrita conscienciológica” - autoria de Julio Almeida (2014).


Esse texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!

Por Alexandre Pereira.






Um comentário: