7 razões para não cometer suicídio

20:26:00 Administrador 15 Comments




Toda vida humana é uma oportunidade única. Mesmo a sua consciência vivendo na dimensão humana desde tempos imemoriais, existe leis universais quanto à utilização do próprio corpo físico. Cometer suicídio é ato notadamente patológico e segue abaixo uma listagem com 7 razões para não realizar esse ato:

Razão 1: “O sofrimento não passa.
Quem não tem nenhuma informação sobre a vida após a morte pode pensar, ingenuamente, que o suicídio do corpo traz alívio imediato e total para suas angústias. Ledo engano. Devido ao nosso corpo emocional, chamado de psicossoma, as emoções são bem mais ampliadas que na vida material. Ou seja, os tormentos emocionais ficam bem maiores ao invés de desaparecerem. Existem comunidades extrafísicas doentias com legiões de suicidas que ainda tentam inutilmente não sofrer mais.

Razão 2: “Fugir não resolve nada.
Ao que tudo indica, o suicídio é o ato de maior covardia na vida humana. Como se não bastasse, esse ato extremo não resolve os problemas perante si mesmo e com as outras pessoas em vidas futuras, mas compromete ainda mais a aflição que pode ser evitada. Perante a evolução da consciência certos desafios e superações são inevitáveis e toda forma de obstrução do fluxo existencial é perda de tempo, energia e oportunidades. Quanto mais alguém foge, mais pesada fica a dívida.

Razão 3: “Possíveis deformações na próxima vida.
Ninguém gostaria de passar uma vida em um corpo com deformações diversas, com comprometimento físico ou mental, sendo limitado e dependente. Entretanto, esse é um dos possíveis efeitos colaterais do suicídio por gerar traumas e perturbações no corpo energético e emocional (superiores ao corpo físico). Trata-se, inclusive, de um mecanismo justo por oferecer uma “máquina biológica” compatível com as atitudes executadas anteriormente. Toda ação tem uma conseqüência e não trate o suicídio com leviandade. Gostaria de viver num corpo humano deformado?

Razão 4: “Você sabe que é errado.
Existe um sentimento interno em você que sabe que abreviar a própria vida é errado. Por mais que insista em justificativas furadas que não enganam ninguém (nem a si mesmo), há uma razão natural para o instinto de sobrevivência. Não falo aqui dos argumentos religiosos de que se trata de um pecado e por isso deve ser evitado. O “buraco é mais embaixo”, pois suas conseqüências são imprevisíveis e na grande maioria de cunho muito patológico. “Segundos de loucura e séculos de reajuste” (Waldo Vieira).

Razão 5: “Paga-se um preço muito alto.
Não existe conflito, sofrimento ou situação por pior que seja que justifique o suicídio. Multidimensionalmente falando, paga-se um preço muito alto e com conseqüências negativas para todo o grupocarma, especialmente se o propósito de vida for mais avançado. Aprenda a lidar com a desilusão e fortaleça gradualmente sua tolerância a frustração já que a vida é, até certo ponto, o gerenciamento de problemas. Evoluir não é fácil, mas conseguir uma força mental é importante independente das suas crenças.

Razão 6: “Sua consciência é imortal.
Quem já experimentou alguma vivência parapsíquica, que foi autocomprobatória quanto à dimensão extrafísica, pode se enganar justificando que terá outras vidas. Pobre ignorância. Admitir outras vidas não torna essa banal, muito pelo contrário: a responsabilidade pessoal aumenta exponencialmente. Sua consciência é imortal, mas as suas atitudes definem sua “colheita” segundo a egocarmalidade. Que tal usar essa pequena vida para gerar grandes mudanças íntimas?

Razão 7: “Você pode sair dessa fase.
Seja qual for seu estado emocional lembre-se que tudo é passageiro e você tem total condição de sair dessa situação. Pode não ser do dia para a noite, mas aposto que sua força interior é muito maior do que atualmente consegue perceber. Interessante notar que existem pessoas muito piores que você e que não estão se queixando de nada. Não faço ideia de qual é o seu caso só que o mundo está cheio de pessoas chorando de “barriga cheia”. Dê tempo ao tempo, respire e descubra seu potencial, pois sozinho ou com ajuda você pode sair dessa crise.


O desespero não resolve nada.


Este texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!

Por Alexandre Pereira.

15 comentários:

  1. Texto esclarecedor, mt bom. O Sr recomenda alguma leitura?

    ResponderExcluir
  2. Texto esclarecedor, mt bom. O Sr recomenda alguma leitura?

    ResponderExcluir
  3. O SUICÍDIO NO BRASIL É UM PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA que vive atualmente a situação do tabu e do aumento de suas vítimas. Pelos números oficiais, SÃO APROXIMADAMENTE TRINTA BRASILEIROS QUE SE SUICIDAM DIARIAMENTE (QUASE 1000 POR MÊS!) E CERCA DE 200 TENTAM O SUICÍDIO NO MESMO PERÍODO, taxa superior às vítimas da AIDS e da maioria dos tipos de câncer. E com a transformação do Paraíso Tropical no Inferno Latinoamericano, esses números devem aumentar muito nos próximos anos.

    A ILUSÃO DO SUICIDA, MATERIALISTA OU NÃO, é ser dissidente de uma condição existencial, da qual ele/ela, um ser multiexistencial e multidimensional, não pode escapar. O ato de colocar o corpo humano fora de atividade, portanto, não significa o “derradeiro sono”, ou o desaparecimento, o “eterno descanso” ou “o fim dos problemas da vida” para a consciência que estava vitalizando esse corpo por algumas décadas. QUEM ASSIM PENSA TEM UMA GRANDE SURPRESA APÓS “FECHAR OS OLHOS PELA ÚLTIMA VEZ” COMETENDO SUICÍDIO.

    Para aprender outros detalhes extremamente importantes que complementam o excelente artigo acima, sugiro também a leitura crítica do artigo “A TERRÍVEL DECEPÇÃO DOS SUICIDAS! (Uma análise técnica, sem misticismo religioso, das dolorosas consequências do suicídio)”, disponibilizado em Tópicos Recentes de www.salvesequemsouber.com.br

    ResponderExcluir
  4. Poderia abordar também o caso da pessoa por mais que se sinta bem existe desde a infância aquela vontade de voltar pra casa, a sensação de não ser daqui e que está sozinho. Se sente triste e com saudade de casa e dos amigos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MARTA: estes sintomas descritos por você são típicos da SEST (Síndrome do Estrangeiro), assim descrito pela Professora MÁLU BALONA no seu excelente livro intitulado Síndrome do Estrangeiro:

      “A SÍNDROME DO ESTRANGEIRO é um sentimento de irrealidade e estranheza em relação a vida humana. É um distúrbio de comportamento caracterizado por um estado mórbido de alienação, estranheza ao ambiente e/ou pessoas, Inadaptação, melancolia aguda, apatia, depressão, às vezes acompanhada de anorexia, podendo levar a dessoma prematura”.

      Sugiro você MARTA, dá uma cuidadosa leitura neste livro. Na SEST, a consciência intuitivamente sabe que não pertence àquele lugar. Sente saudades de uma existência diferente, de outro ambiente, o que faz sentir-se confusa, melancólica e abandonada pelos seus. Conscins com este tipo de distúrbio não devem se submeter à regressão de memória, por motivos óbvios.

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Notei claramente que a vida é uma náusea, um castigo que além de pesado e sem sentido, é ainda, por desfiniçaõ mais aterradora e assustadoramente decepcionante, é eterna. Achei que alguma coisa na existência tivesse sentido... mas vi que de fato o sentido é que não existe sentido algum em existir... mas continua vivendo! Mais decepcionante impossível!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acabei respondendo errado, mas da uma olhada lá embaixo.

      Excluir
  7. Эдуардо... О сентидо да вида э симплесменте се ауто едукар. Ноже ту нет* тем ума визао оло-мемориал. Туа менте де 3Д нет ентенде о сентидо де нада, мас но фундо, а еспериенся вале до месмо жеито. Куандо деспертар до оутро ладо, ваи ентендер. Пасиенся! Абрасо пра вс.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra q isso cara, escreve normal,isso não acrescenta nada.

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. A vida é preciosa demais para ser retirada por humanos insignificantes! O suicídio não resolve as angústias de ninguém! A vida é perfeita para quem sabe viver! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SANDRINHA: concordo plenamente (100%) com você! É por essa e outras razões que defendo a seguinte tese com unhas e dentes: estamos na ERA do SALVE-SE QUEM SOUBER!

      Principalmente para quem vive numa sociedade caótica como a nossa, que caminha rapidamente para se tornar o INFERNO LATINOAMERICANO. E claro, novamente, é por essa e outras razões que considero a CONSCIENCIOLOGIA uma neociência autolibertadora.

      Sugiro sempre que possível aos jovens da Geração Muda Brasil a leitura crítica do artigo intitulado “21 SUGESTÕES PARA O SUCESSO E A FELICIDADE” disponibilizados em Tópicos Recentes de www.salvesequemsouber.com.br

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  10. O verdadeiro e imenso sofrimento dos DESERTORES DA VIDA começa paradoxalmente no exato momento do SUICÍDIO, como pode ser lido na seguinte advertência de alguém que cometeu AUTO-HOMICÍDIO:

    Ajeitei o revolver no céu da boca, o lugar considerado “infalível, sem dor e sem possibilidade de erro”, de acordo com os livros que pesquisei. Dei o tiro certeiro, mas para minha grande surpresa e desespero verifiquei de imediato que ainda “CONTINUAVA VIVO”, sentindo a dor, ouvindo os gritos da minha família, sem poder me mover. Continuei assim paralisado até à hora do funeral, ouvindo, vendo e assistindo a tudo, continuamente sentindo a terrível dor no ferimento causado pelo balaço na boca.

    Carregaram-me até o cemitério, enterraram-me e deixaram-me sozinho no escuro. Senti a sufocação do fundo da cova, mas não podia movimentar-me, embora estivesse lúcido, lembrando-me de tudo, especialmente o que um conhecido espírita me havia dito: “O ESPÍRITO DO SUICIDA FICA LIGADO AO SEU CORPO”.

    Percebi que ele não tinha me enganado, quando comecei a sentir muitas dores em todo o corpo, juntamente com o mau cheiro da putrefação, a mordedura lacerante dos milhões de larvas vermiformes famintas que me cobriam e devoravam todo o corpo.

    As dores aumentaram muito quando as carnes começaram a se separar dos ossos. A fome doía meu estomago e a sede escaldava minha boca e garganta. A sensação era insuportável. Rezei e supliquei, mas não fui atendido.

    Um dia, não sei quanto tempo se passou, mas me pareceu uma eternidade, VI MEUS OSSOS SENDO REMOVIDOS PARA O JAZIGO DA FAMÍLIA E CONTINUEI PRESO NESSA NOVA TUMBA, sempre raciocinando, sentindo a dor intensa do ferimento causado pelo revolver no céu da boca, jamais conseguindo descanso de um minuto de sono, dia e noite vendo meus ossos amontoados em minha frente.

    Todas as narrativas dos SUICIDAS são unanimes na descrição das dores atrozes e pavorosos sofrimentos, especificamente ligados ao gênero de AUTO-HOMICÍDIO escolhido. Ou seja, um SUICIDA sentir-se-á sempre caindo, sufocando, sangrando, se afogando etc., conforme a maneira como se suicidou. Muitos assistem e sentem a decomposição do próprio corpo, sendo transformado em alimento dos vermes necrófagos, sofrendo impressões de dor, asco e horror.

    ResponderExcluir