Ebook Gratuito: As vantagens da Experiência fora do Corpo

 

A experiência fora do corpo, de acordo com a Conscienciologia, é o fenômeno mais sério e relevante entre os existentes. O texto intitulado 100 Vantagens Projetivas foi transformado em Ebook como forma de ampliar a divulgação da importância desse fenômeno.

Afinal, muitas pessoas se esforçam muito para ter esse tipo de vivência e, quando conseguem, se perguntam: “E agora, o que eu faço fora do corpo mesmo? 

QUAIS OS BENEFÍCIOS DE SAIR DO CORPO? 



DOWNLOAD GRATUITO EM PDF: https://bit.ly/100projecao ou CLIQUE AQUI.

  

Este texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!

Por Alexandre Pereira.

ESPECIAL DESASSÉDIO (retirada de assediador)



3 Trafores do desassediador.

Toda personalidade que trabalha com assistência na base no desassédio, ou que almeja tal atividade, deve ter uma postura firme e decidida. Ao desassediador veterano, mais calejado pelas autovivências, é importante a atenção em diversos trafores no intuito de aumentar suas chances de êxito nas diversas oportunidades que terá pela frente. Não é porque o trabalho é assistencial e bem-intencionado que necessariamente irá ser bem-sucedido.

Eis, por exemplo, 3 trafores que devem ser valorizados no trabalho desassédio interconsciencial.

1. Pacificação.

Em um desassédio multidimensional nunca se deve revidar qualquer tipo de agressão. Isto é, deve-se manter uma postura mais aberta e pacífica dentro de suas possibilidades. Quem ainda se descontrola quando se é ofendido ou quando se sente pressionado ainda está imaturo para os desassédios mais sérios. É preciso estar em paz para ajudar ao invés de ser só mais um assistido de modo inapropriado. O desassédio começa com a pacificação íntima da equipe interassistencial.

2. Domínio energético.

Ter certo domínio das próprias energias é essencial para não ser dependente dos amparadores ou de qualquer tipo de muleta psicológica que julgue insubstituível para sua sobrevivência. A confiança em si mesmo e nas próprias capacidades energéticas torna o desassediador personalidade mais potente e menos vacilante nos processos desassediadores mais pesados e complicados. A energia é a base dos desassédios.

3. Autoestima sadia.

O germe da menos valia pode fazer o desassediador, nos momentos mais críticos, ao invés de manter sua resiliência mental, acabar duvidando de si mesmo e de suas capacidades. Isso pode fazer sucumbir toda a tarefa assistencial e, em alguns casos, até traumatizar o agente que atuava como assistente. Em alguns tipos de desassédios, por exemplo, os seres perturbados fazem tudo na tentativa de desestabilizar o processo. Cabe nesses casos não se fixar nos xingamentos e ignorar todo tipo de ofensa. Caso contrário, a autovitimização e as fragilidades pessoais acabam de fato sendo atingidas.

Os amparadores se conectam a nós pelas nossas qualidades ou trafores que dizem muito sobre o tipo de desassédio que podemos bancar ou que temos potencial de desenvolver. No entanto, os 3 trafores aqui apresentado serem como pilar para todo e qualquer tipo de assistência desassediadora interconsciencial.


3 Ponderações sobre Desassédio.

Em relação ao assédio não é indicado uma postura de superioridade ("eu e os amparadores resolvemos tudo") e nem de vitimismo ("nem sei como posso ajudar"). A tarefa desassediadora, notadamente quando extrafísica, deve ser o mais profissional possível a fim de evitar percalços e contrafluxos desnecessários e evitáveis. Desse modo é importante ponderar sobre algumas ações que qualificam as tarefas desassediadoras de um modo geral.

1. Confiança na multidimensionalidade e em si mesmo.

Ter confiança de que não está sozinho e desamparado, ainda que não veja nenhum amparador, é fundamental para um desassédio de qualidade. O medo, a insegurança e a dúvida abrem brechas que podem afetar o trabalho como um todo. Ter confiança em si (sem arrogância ou espírito de triunfalismo) e na multidimensionalidade torna o desassédio mais sólido e menos perturbável.

2. Não pensar mal do assistido.

Um erro crasso é ficar julgando o assistido durante a tarefa assistencial. Essa postura, além de ser uma tentativa de autoafirmação, é um modo de travar as energias assistenciais. Não cabe a quem participa ficar querendo dar aula numa situação crítica. O "acidentado" nem sempre tem condições de entender e absorver as "sugestões evolutivas". Calando o juiz interno e inconveniente todos saem ganhando no desassédio.

3. Manter uma postura de desassombro.

A participação contínua em desassédio torna o indivíduo cada vez mais seguro e calmo frente as ocorrências que porventura ocorram de modo inesperado. O desassombro permite uma atuação mais livre e sólida sejam quais forem os desafios, ainda que inéditos. Quanto mais harmônico e menos assustado for o desassediador maiores podem ser os desafios apresentados ao mesmo. Há pessoas que se desassombram facilmente enquanto outros nem mesmo com mil experiências são capazes de se acalmar.

Seguir esses 3 pontos é uma forma de evitar que surpresas ocorram e serve como profilaxia geral. Obviamente que isso não é garantia de que tudo sairá corretamente e não haja imprevistos, mas são posturas mais maduras que tendem ao sucesso. O desassediador é um agente tranquilizador.

3 Dicas para o desassédio

Assim como qualquer outra atividade humana, o desassédio interconsciencial pode ser treinado, aperfeiçoado e desassombrado ao ponto em que o indivíduo se senta seguro e confiante seja qual for o tipo de ocorrência. Quanto mais experiências desassediadoras e autocrítica frente as próprias vivências, maior será o avanço de modo significativo.

Dentre algumas dicas para quem almeja se desenvolver na nobre função de desassédio, pode-se ressaltar 3 aqui listadas sem uma ordem específica:

1. Exteriorização Assistencial.

A intencionalidade sadia e equilibrada, durante a exteriorização de energia, é ferramenta multímoda que engrandece e, em alguns casos, já promove certo tipo de desassédio. Esse padrão de energia, dependendo da patologia assediadora, acaba sendo repulsiva para os níveis baratrosféricos. Energia é não somente vacina, mas uma força universal.

2. Sentimentos elevados.

Um item importante, quando ocorre algum tipo de intervenção com personalidades desequilibradas e mal-intencionadas, é manter os sentimentos conectados aos padrões mais elevados e avançados. Ou seja, ter uma postura de atitudes mais maduras e serenas, não dando brechas para qualquer tipo de emoção rasteira ou inferior, faz do desassediador uma rocha sólida frente a interassistencialidade.

3. Atenção as intuições.

O desassediador não deve, a rigor, ser um "desprezador" das intuições e inspirações que aparecem no meio do processo. Em muitos casos, o desassédio é prejudicado em função da rigidez mental de quem recebeu uma intuição para fazer diferente ou utilizar outra abordagem, mas permaneceu imutável. Nem sempre a comunicação com os amparadores é direta e límpida (o ideal) e em certos casos a intuição é instrumento de diálogo e orientação das consciências orientadoras.

O resultado de um desassédio eficiente depende das atitudes da equipe de trabalho incluindo os seres envolvidos, sejam intra ou extrafísicos. O papel do assistente ou aspirante a desassediador é atuar como uma minipeça ajustada as diretrizes extrafísicas que possuem a visão de conjunto de toda a tarefa. Não é o projetor ou o parapsíquico que dita as normas e condutas do que deve ser feito. O desassédio bem feito é sucesso de todos.

3 Pensatas sobre desassédio

Há muitas maneiras de ver e entender o desassédio pelo parapsiquismo, pelas energias e pela fraternidade. Entre as muitas abordagens que podem ser dadas, segue abaixo 3 pensatas de Waldo Vieira que evidenciam pontos diferentes e complementares da temática desassediadora. Abaixo da pensata segue breve comentário sobre os mesmos.

Pensata 1: "A capacidade de realizar desassédios interconscienciais mais complexos exige a aplicação do autoparapsiquismo lúcido."

O assistente pode ser uma "peça" cada vez mais atuante e participativa nos desassédios. Há consciências que ficam totalmente inconscientes ou apresentando sofrível lucidez durante todo o processo. No entanto, isso está longe de ser o ideal. Quanto maior o desenvolvimento do parapsiquismo mais gabarito e potencial real para atuar em desassédios mais intensivos e de alto nível. Mas para chegar nesse outro patamar não é responsabilidade dos amparadores, pois eles não têm que dar a ninguém nenhuma capacidade. Muito pelo contrário. Esse gabarito é fruto dos esforços pessoais de quem os realiza. Nada vem de graça.

Pensata 2: "Quanto mais mentalsomática e racional seja a conscin, maiores são os seus potenciais de desassedialidade."

Apesar de contar muito com questões energéticas e parapsíquicas, as capacidades mentais são o grande diferencial no que se trata de desassédio. Afinal, o desassédio mais eficiente ou a longo prazo é o realizado por meio de informações e por todo o lado mental. A força mental também permite que a razão seja sempre predominante ao emocionalismo em geral. Quantas pessoas racionais que facilmente são rendidas por questões emocionais banais e sem importância? Ser forte mentalsomaticamente permitirá que, apesar de desassédios pesadíssimos, se mantenha a sanidade e a integridade de modo invulnerável.


Pensata 3: "Neste Planeta Terra estamos, agora, buscando aprender a vivenciar a desassedialidade interconsciencial mais ampla, inclusive cósmica, intergrupal e interplanetária multidimensional."

Entre as formas mais expressivas de desassédio está o serviço eficiente naquilo que é proposto. Há desassédios rápidos e pontuais da mesma forma que existem, até certo ponto, desassédios milenares. Seja qual for o grau de dificuldade existente, todo desassédio é válido e tem sua função dentro do processo complexo e intrincado que chamamos de evolução. Gratidão a você por ser uma das raras personalidades humanas que fazem ou que já almejam esse tipo de ação assistencial. O desassédio bem-sucedido é obra multidimensionalmente edificante.

Como se pode observar, o desassédio entre as consciências é tarefa altamente nobre, de vanguarda, e representa muito na sociedade ainda patológica em que vivemos. Desse modo, todo candidato a desassediador deve estar pronto a aprender com os erros e ir gradualmente aumentando suas capacidades gerais. A assistência é o caminho mais assertivo para a evolução consciencial e o desassédio interconsciencial está entre as grandes competências da megafraternidade. Vamos desassediar a nós mesmos e também os demais?

Este texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!

Por Alexandre Pereira.


** Não entendeu alguma palavra? - GLOSSÁRIO.

Posturas autocorruptas no trabalho energético e parapsíquico



Muitas pessoas desejam e correm atrás do desenvolvimento parapsíquico. No entanto, há certos entraves causados não por outra pessoa, pela sociedade atual ou mesmo por assediadores extrafísicos. Há casos onde o praticante tem a si mesmo como um dificultador de todo o progresso. Afim de evitar certas autocorrupções, segue abaixo algumas posturas para a análise e reflexão pessoal.

Autocorrupção nº 1: Sempre esperar resultados rápidos. 

Por analogia podemos dizer que o parapsiquismo e o trabalho com as energias são uma maratona de 42 km e não uma corrida de 100 metros. Ou seja, leva-se tempo de construção, prática e aperfeiçoamento. Está equivocado quem julga ser inapto por não alcançar resultados expressivos em apenas 1 mês. Assim como toda habilidade, ainda mais essas de ordem subjetivas, complexas e multidimensionais, a excelência é fruto do esforço contínuo de quem entende e dá valor as suas repetições. Se frustrar por expectativas irreais evidencia uma ideia imediatista e ainda infantil.

Autocorrupção nº 2: Não querer fazer nada muito intenso.

Muitos se autocorrompem quando pensam em trabalhar “um pouquinho” com energia. Fazer “evezinho”, jogar uma “energiazinha” normalmente são expressões de quem mexe com pouca energia e tem resultados pífios, semelhantes ao seu empenho e coragem. Essa preocupação oculta de não mexer com altas cargas de energias por ter medo de “dar algum problema” é a essência do medo da morte. Mexer com energia deve ser uma prática intensa, especialmente quanto à postura e a mentalidade empregada para tal. Você realmente mobiliza as energias no seu máximo ou fica se contendo?

Autocorrupção nº 3. Ficar remoendo questões mal resolvidas.

Ao invés de manter atenção em seu campo energético durante as práticas, muitos praticantes aproveitam o momento para terem pensamentos antagônicos e negativos que nada contribuem para o momento, muito pelo contrário. Não é porque está realizando, por exemplo, um estado vibracional que a pensenidade patológica não tem relevância. Em muitos casos a energia só potencializa os conflitos internos. De qualquer modo, serve como um alerta gritante para o praticante resolver suas questões e, juntamente com trabalho energético, encontrar sua paz íntima.

Autocorrupção nº 4: Só realizar alguma técnica no momento de dificuldade.

As energias devem ser treinadas continuamente justamente para que, nos momentos de pressão e de dificuldade na vida, ela seja uma ferramenta evolutiva. Quem só espera ativar as energias nos problemas acaba geralmente se sentindo inseguro e despreparado para o trabalho energético nessas circunstâncias. Muitos ainda terminam afirmando que mexer com energia não funciona. Acontece que a profilaxia real ocorre justamente quando não se está precisando, “antecipando” problemas, e ganhando aos poucos mais confiança. Treinamento é fundamental em todas as áreas.

Autocorrupção nº 5: Duvidar constantemente de si mesmo.

Dentre as maiores autocorrupções no trabalho energético está o ato de duvidar de si mesmo. Quem vacila, hesita e se sente inferior está naturalmente sabotando os próprios resultados. Obviamente, o intuito aqui não é que você deva ser arrogante e se achar superior as outras pessoas, nada disso. É sentir capaz, se sentir em condições que comandar suas energias e funcionar bem com elas. Os condicionamentos mentais servem tanto para fortalecer quanto para enfraquecer a potência energética seja qual for a dimensão manifestada.

A ortodoxia das convicções da sensitiva ou sensitivo intrafísico influi nas qualidades e natureza de suas parapercepções”. – Waldo Vieira.

Autocorrupção nº 6: Apelar para a ajuda de algum ser "evoluído".

Há quem esteja fazendo um trabalho de energia, que gera autossuficiência, mas ainda com postura de dependência. Ou seja, ainda não quer abrir mão da submissão e nem tem interesse em ter maior responsabilidade. Evocar algum ser ou a todos durante um trabalho de energia normal (sem dificuldades ou pressões) é uma postura reveladora. Ainda que esteja num momento delicado e com sérios problemas se deve usar de muita autocrítica para saber se precisa ou não de alguma força externa que reforce a prática. Quem se acostuma com regalias e favorecimentos inadequados, nunca é forte o suficiente.

Autocorrupção nº 7: Querer perder a lucidez.

O trabalho com as energias é uma forma eficaz de aumento e ampliação da lucidez. No entanto, é um erro crasso querer “apagar” ou perder a lucidez durante as práticas como forma rotineira. Essa perda de autonomia é comum em certas práticas parapsíquicas, conforme vemos em muitas linhas do conhecimento dentro da história humana, mas está longe de ser o ideal dentro do animismo energético e do parapsiquismo avançado. Até porque o ideal é mexer com energias em quaisquer circunstâncias ou injunções da vida intrafísica. É você que realmente controla suas energias?

AUTORREFLEXÕES:
Você costuma a boicotar os próprios empreendimentos e iniciativas?
Você quer mesmo desenvolver as energias e o parapsiquismo?
Onde mais existe autocorrupção com prejuízos evolutivos?


Este texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!

Por Alexandre Pereira.

Limites internos e completismo existencial



Se você admite, em seu íntimo, que nasceu para fazer algo e que tem uma tarefa a realizar na vida humana (que chamamos de proéxis) o tema aqui será relevante. Essa noção de propósito existencial é uma força capaz de nos mover rumo a proatividade e a evolução. Infelizmente, essa sensação de que precisa realizar algo não basta e nem é suficiente para ser bem-sucedido.

Você é do tipo de pessoa que enrola? Vive se distraindo e perdendo tempo? Tem dificuldades de fazer o que gostaria? Se sente paralisado e sem grandes progressos?

Na aula a seguir é abordado com mais profundidade sobre a obra “A Guerra da arte” do escritor americano Steven Pressfield. Apesar do título, o conteúdo não é bélico e nem traz esse tipo de contexto. Aos interessados em ser completista nessa vida (cumprir sua missão de vida) vale muito a pena ouvir e refletir sobre tudo que será dito. Assista e utilize sua criticidade ao máximo.



Por Alexandre Pereira.

Aprenda a Escrever Livros com 10 obras Selecionadas



Você tem medo de escrever?
Gostaria de escrever melhor e fazer um grande livro?

Muitos aspirantes no processo da escrita não sabem por onde começar e, apesar de boas ideias e boa vontade, se sentem perdido nessa questão mesmo sentindo algum tipo de inspiração do amparo extrafísico. Geralmente bons leitores formam bons escritores, mas a escrita é uma capacidade de pode ser moldada e aperfeiçoada independentemente da aptidão natural do indivíduo.

Apesar da assistência extrafísica, é a pessoa que precisa sentar e colocar em prática a escrita que pode beneficiar muitas pessoas. Assim, muitas pessoas que se sentiam frustradas, fora os medos diversos por se expor publicamente, conseguiram superar suas barreiras e se tornaram autores de respeito.

Segue uma lista de 10 livros selecionados para você que deseja ser um escritor ou que deseja melhorar sua performance na dimensão das palavrasAo clicar na foto de um livro você será direcionado para o site da Amazon.

1. Para ser Escritor.
Autor: Charles Kiefer.


2. A Jornada do Escritor: Estrutura Mítica para Escritores.
Autor: Christopher Vogler.




3. Sobre a Escrita.
Autor: Stephen King.



4. Zen e a Arte da Escrita.
Autor: Ray Bradbury.



5. A Arte de Escrever.
Autor: Arthur Schopenhauer.



6. Para ler como um escritor - Um guia para quem gosta de livros e para quem quer escrevê-los.
Autora: Francise Prose.



7. Vida de Escritor.
Autor: Gay Talese.



8. Escrever para não Enlouquecer.
Autor: Charles Bukowski.



9. Vencendo o Desafio de Escrever um Romance.
Autor: Ryoki Inoue.



10. Cartas a um Jovem Escritor.
Autor: Mário Vargas Llosa.





Boa leitura e excelente escrita!
Que venham as gestações conscienciais!!

Por Alexandre Pereira.






















Mantras para sair do corpo



Considerações relevantes

Primeiramente, é preciso dizer que mantra não é necessariamente algo oriental ou apenas relacionado com questões ocultistas. Os mantras são utilizados, de uma forma ou de outra, em diversos graus, por hindus, budistas, mulçumanos, judeus, cristãos, no cabalismo, na mantra-ioga e em outras linhas do conhecimento menores.

No capítulo 218 do tratado de Projeciologia há o capítulo intitulado “Técnica dos mantras projetivos” que fala dos mantras como práticas genuínas para as experiências fora do corpo. No entanto, apesar de afirmar que existem mantras capazes de promover a projeção, no tratado não há um único exemplo de mantra para essa finalidade. O autor diz que é funcional, mas não exemplifica nenhum tipo. Veja uma consideração acerca dos mantras:

As afirmações são resoluções faladas que, empregadas de modo correto, alinham as energias físicas, mentais e conscienciais.” (Waldo Vieira).

É compreensível que a Conscienciologia não empregue mantras em suas práticas usuais já que em geral são vistos apenas de modo místico, exotérico e ritualístico. Também existem mantras de cunho notadamente negativo e que podem mais intoxicar o praticante do que promover os benefícios pretendidos. Foi por essa ausência de exemplos de mantras projetivos que comecei, no ano de 2007, a buscar com a finalidade projetiva (de sair do corpo).

Até o final do texto será mostrado vários mantras para que você possa fazer sua experimentação. Todo o conteúdo exposto aqui reflete as pesquisas e opiniões pessoais, por isso é sempre relevante não acreditar no que está escrito e usar o princípio da descrença.

Entre os mantras evitáveis estão os chamados “mantras nomes” onde há uma evocação direta da personalidade de alguém (geralmente santos, gurus ou personalidades míticas) que podem ou não ter criado a expressão. Cabe ressaltar que a fama de alguém não significa necessariamente que o mesmo é evoluído ou cosmoético e que muitas dessas personalidades foram construídas artificialmente ao longo das décadas ou séculos.

Como exemplo, vejamos o famoso Milarepa que tem um desses mantras de evocação que é “OM AH GURU HASA BENSA HUNG”. Nesse caso, HASA BENSA ou HASA VAJRA faz menção ao nome de Milarepa (Vajra) e, desse modo, pela repetição do mantra se faz uma evocação direta ao mesmo. Há inclusive mantras que trazem alguns palavrões e expressões notadamente doentias, em outros idiomas, e por aí já se percebe o nível desse tipo de evocação.

Todo mantra tem uma função. Existem mantras que focam em objetivos como, por exemplo, a paz íntima, a defesa energética, a experiência fora do corpo (projeção consciente), despertar e iluminação e assim por diante. Digamos que os mantras são “pacotes com informações e padrões”. Isto é, possui um conjunto de energias, intenções e emoções (holopensene) que exerce função específica e delimitada. Ou seja, um mantra projetivo tem somente essa função de saída do corpo. Um paralelo dos tempos atuais, seria como baixar um aplicativo de música e tentar ver fotos nele. Ou então baixar um app de filmes para tentar fazer cálculos matemáticos. É preciso entender sobre suas aplicações e limites.

Um caso clássico dentro da própria Conscienciologia foi o relato de Waldo Vieira que, num momento de necessidade enquanto estava fora do corpo, se lembrou de um mantra antigo que ajudou na autodefesa extrafísica frente a assediadores. Vieira nunca revelou qual era esse mantra. E certamente é uma “carta na manga” muito eficiente já que, no caso dele, nada estava resolvendo e nem mesmo o trabalho energético funcionou. Segue uma descrição que está no tratado de Projeciologia:

Mantra. Neste ponto, será oportuno informar ao leitor(a), que há mais de uma década, este autor estando em tarefa assistencial, projetado com lucidez, fora do soma, através do psicossoma, sofreu violento ataque de 8 consciexes extrafísicas, assediadoras poderosas em conjunto. Quando já se sentia a pique de dessomar, sob a pressão energética avassaladora dos seus perseguidores, sem conseguir mudar de ambiente ou dimensão extrafísica, recebeu repentinamente o socorro providencial da retrocognição de um mantra com objetivos energéticos, autodefensivos, que – hoje sabe – empregara anteriormente, como alquimista, e com o qual conseguiu livrar-se do envolvimento energético mortal.

A tendência é que quanto mais antigo for o mantra mais forte ele deva ser justamente por muitas pessoas terem sintonizado e “formatado” esse pacote de informações, como no exemplo didático dado anteriormente. Eis uma razão extra para se manter sempre atento quando se utiliza algum mantra, pois assim poderá entender em qual campo está adentrando, justamente por esse caráter coletivo.

Obviamente que existem muitas bobagens no que tange aos mantras de um modo geral, como se o simples recitar fosse suficiente para evoluir a ponto de interromper os renascimentos e coisas do gênero. Há casos de mantras que são tratados como verdadeira panaceia universal, isto é, servem para resolver todos os seus problemas em todas as áreas da vida (pura bobagem). Em muitos casos fica nítida a tentativa de usar esses métodos como atalhos evolutivos que o levariam sem muito esforço aos “palácios celestiais” da perfeição. Eis porque o senso crítico deve estar vigilante quando se pesquisa esse tipo de tema.

Importante salientar que nem todo mantra precisa ser vocalizado verbalmente. Existe a possibilidade de ser apenas na ordem mental, mas dependendo do contexto, pode ter efeitos menores do que quando dito vocalmente. Também existe a prática de utilizar um mantra em um chacra específico, ou seja, você se concentra em determinado chacra, ou parte do corpo, enquanto permanece repetindo-o. Certos mantras sugeridos aqui seguem algumas dessas premissas.


Casuística pessoal.

Certa feita soube que havia uma docente no estado de São Paulo que estava usando um mantra para acalmar seus alunos e que a escola ficou surpresa com a melhoria do comportamento e do controle da agitação deles. Ao final da aula ela fazia com que todos ficassem de olhos fechados e repetissem todos juntos: “EU ESTOU EM PAZ”.

De cara pensei que poderia ter poucos efeitos justamente por ser em português (ou seja, por ser algo novo e sem muito histórico) e por conter uma frase de ordem simples. Avisado tanto à direção quanto à coordenação, fiz com alunos entre 7 e 11 anos. Na primeira turma que realizei, assim que terminamos (sem falar nada ou dar nenhuma sugestão a eles), dos cerca de 30 alunos mais de 20 deles relataram alegres que estavam vendo tudo em azul ao abrirem os olhos.

Independentemente da cor, o mais importante foi a reação emocional positiva e mais leve de quase todos. Particularmente, ao longo do tempo com alunos, tive experiências de forte percepção energética, estados vibracionais espontâneos e até certos desassédios pontuais. Fiz eventualmente com crianças dessa faixa etária por alguns anos e toda vez o saldo era positivo e a reação infantil é muito interessante de se observar (o relato mais comum sempre foram os aspectos visuais). Foi surpreendente que um mantra em português e tão simples fizesse tamanho efeito.


Mantras projetivos

Entre os mantras projetivos, listados aqui como exemplos e sugestões de prática, vale ressaltar que foram selecionados no intuito de serem os mais aplicáveis e, ao que tudo indica, menos problemáticos dentro dessa área. Não tive como pessoalmente testar tudo e, ao todo, pratiquei 4 do total de 10 aqui listados. Quando digo testar não me refiro a apenas uma noite, já que para testar uma técnica projetiva deve-se utilizá-la por pelo menos duas semanas.

Desde 2007 venho aplicando e testando muito eventualmente mantras projetivos e nunca tive maiores contratempos com a listagem abaixo, que é proveniente de diversos autores. O mais importante é fazer suas experiências e tirar suas conclusões. Também cabe frisar que nem todos se dão bem com mantras. Caso você já tenha mexido com isso em outras vidas e, dependendo de suas tendências pessoais, pode ser muito bem-vindo ou não ser nada produtivo. Tudo bem se não te servir, vida que segue. Do mesmo modo que nem todos curtem técnicas respiratórias para sair do corpo. Tudo é questão de afinidade.

Mantra: SHIEN-SIEN
Pronúncia: CHIEN SIEN
Significado: Nome do projetor em chinês.

Mantra: KESHARA
Pronúncia: KECHARA
Significado: Sinônimo dos projetores no Tibet.
Indicação: Entoar no frontal.

Mantra: DWIDJA
Pronúncia: DEUIDIJA
Significado: Aquele que é duas vezes nascido.
Indicação: Entoar no frontal.

Mantra: TELESMA
Significado: O fogo que traz a vida.
Indicação: Bom para ser utilizado no chacra umbilical e cardíaco.

Mantra: AIN SOPH
Pronúncia: AIN-SOF
Significado: Luz divina ilimitada.

Mantra: DERA DANDA UTHAO
Pronúncia: DERADANAUTAÕ
Significado: Algo como “levantar as varas acampamento”, mudar de lugar.
Indicação: Utilização no frontal para aumentar a lucidez na projeção.

Mantra: CONSCIÊNCIA
Significado: Busca da consciência cósmica.
Indicação: Aumenta a lucidez, física e extrafísica.

Mantra: HARMONIA
Significado: Viver em equilíbrio.

Mantra: FARAOM
Pronúncia: FÁ - RÁ - OM
Significado: Relação com processos do antigo Egito.

Mantra: RAOM GAOM
Significado: Proveniência desconhecida, mas que, ao que parece, se mostra eficaz para reter a memória dos sonhos, bem como para promover a ocorrência de projeções.


De todo modo, a aplicação de mantras projetivos é mais eficiente em pessoas que possuem o laringochacra mais ativo e desenvolvido. No entanto, qualquer pessoa com interesse e afinidade pode desenvolver tais práticas desde que sejam constantes e repetidas. Você tem abertismo para esse tipo de experimentação?



Este texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!

Por Alexandre Pereira.


** Não entendeu alguma palavra? - GLOSSÁRIO.

Tags: Experiência fora do corpo, projeção consciente, projeção lúcida, viagem astral, projeção astral, desdobramento, arrebatamento, saída do corpo, jornada espiritual, desdobramento astral, obe, astral projection, viagem extracorpórea, experiência projetiva, entre outros.