ESPECIAL DESASSÉDIO (retirada de assediador)

09:00:00 Administrador 0 Comments



3 Trafores do desassediador.

Toda personalidade que trabalha com assistência na base no desassédio, ou que almeja tal atividade, deve ter uma postura firme e decidida. Ao desassediador veterano, mais calejado pelas autovivências, é importante a atenção em diversos trafores no intuito de aumentar suas chances de êxito nas diversas oportunidades que terá pela frente. Não é porque o trabalho é assistencial e bem-intencionado que necessariamente irá ser bem-sucedido.

Eis, por exemplo, 3 trafores que devem ser valorizados no trabalho desassédio interconsciencial.

1. Pacificação.

Em um desassédio multidimensional nunca se deve revidar qualquer tipo de agressão. Isto é, deve-se manter uma postura mais aberta e pacífica dentro de suas possibilidades. Quem ainda se descontrola quando se é ofendido ou quando se sente pressionado ainda está imaturo para os desassédios mais sérios. É preciso estar em paz para ajudar ao invés de ser só mais um assistido de modo inapropriado. O desassédio começa com a pacificação íntima da equipe interassistencial.

2. Domínio energético.

Ter certo domínio das próprias energias é essencial para não ser dependente dos amparadores ou de qualquer tipo de muleta psicológica que julgue insubstituível para sua sobrevivência. A confiança em si mesmo e nas próprias capacidades energéticas torna o desassediador personalidade mais potente e menos vacilante nos processos desassediadores mais pesados e complicados. A energia é a base dos desassédios.

3. Autoestima sadia.

O germe da menos valia pode fazer o desassediador, nos momentos mais críticos, ao invés de manter sua resiliência mental, acabar duvidando de si mesmo e de suas capacidades. Isso pode fazer sucumbir toda a tarefa assistencial e, em alguns casos, até traumatizar o agente que atuava como assistente. Em alguns tipos de desassédios, por exemplo, os seres perturbados fazem tudo na tentativa de desestabilizar o processo. Cabe nesses casos não se fixar nos xingamentos e ignorar todo tipo de ofensa. Caso contrário, a autovitimização e as fragilidades pessoais acabam de fato sendo atingidas.

Os amparadores se conectam a nós pelas nossas qualidades ou trafores que dizem muito sobre o tipo de desassédio que podemos bancar ou que temos potencial de desenvolver. No entanto, os 3 trafores aqui apresentado serem como pilar para todo e qualquer tipo de assistência desassediadora interconsciencial.


3 Ponderações sobre Desassédio.

Em relação ao assédio não é indicado uma postura de superioridade ("eu e os amparadores resolvemos tudo") e nem de vitimismo ("nem sei como posso ajudar"). A tarefa desassediadora, notadamente quando extrafísica, deve ser o mais profissional possível a fim de evitar percalços e contrafluxos desnecessários e evitáveis. Desse modo é importante ponderar sobre algumas ações que qualificam as tarefas desassediadoras de um modo geral.

1. Confiança na multidimensionalidade e em si mesmo.

Ter confiança de que não está sozinho e desamparado, ainda que não veja nenhum amparador, é fundamental para um desassédio de qualidade. O medo, a insegurança e a dúvida abrem brechas que podem afetar o trabalho como um todo. Ter confiança em si (sem arrogância ou espírito de triunfalismo) e na multidimensionalidade torna o desassédio mais sólido e menos perturbável.

2. Não pensar mal do assistido.

Um erro crasso é ficar julgando o assistido durante a tarefa assistencial. Essa postura, além de ser uma tentativa de autoafirmação, é um modo de travar as energias assistenciais. Não cabe a quem participa ficar querendo dar aula numa situação crítica. O "acidentado" nem sempre tem condições de entender e absorver as "sugestões evolutivas". Calando o juiz interno e inconveniente todos saem ganhando no desassédio.

3. Manter uma postura de desassombro.

A participação contínua em desassédio torna o indivíduo cada vez mais seguro e calmo frente as ocorrências que porventura ocorram de modo inesperado. O desassombro permite uma atuação mais livre e sólida sejam quais forem os desafios, ainda que inéditos. Quanto mais harmônico e menos assustado for o desassediador maiores podem ser os desafios apresentados ao mesmo. Há pessoas que se desassombram facilmente enquanto outros nem mesmo com mil experiências são capazes de se acalmar.

Seguir esses 3 pontos é uma forma de evitar que surpresas ocorram e serve como profilaxia geral. Obviamente que isso não é garantia de que tudo sairá corretamente e não haja imprevistos, mas são posturas mais maduras que tendem ao sucesso. O desassediador é um agente tranquilizador.

3 Dicas para o desassédio

Assim como qualquer outra atividade humana, o desassédio interconsciencial pode ser treinado, aperfeiçoado e desassombrado ao ponto em que o indivíduo se senta seguro e confiante seja qual for o tipo de ocorrência. Quanto mais experiências desassediadoras e autocrítica frente as próprias vivências, maior será o avanço de modo significativo.

Dentre algumas dicas para quem almeja se desenvolver na nobre função de desassédio, pode-se ressaltar 3 aqui listadas sem uma ordem específica:

1. Exteriorização Assistencial.

A intencionalidade sadia e equilibrada, durante a exteriorização de energia, é ferramenta multímoda que engrandece e, em alguns casos, já promove certo tipo de desassédio. Esse padrão de energia, dependendo da patologia assediadora, acaba sendo repulsiva para os níveis baratrosféricos. Energia é não somente vacina, mas uma força universal.

2. Sentimentos elevados.

Um item importante, quando ocorre algum tipo de intervenção com personalidades desequilibradas e mal-intencionadas, é manter os sentimentos conectados aos padrões mais elevados e avançados. Ou seja, ter uma postura de atitudes mais maduras e serenas, não dando brechas para qualquer tipo de emoção rasteira ou inferior, faz do desassediador uma rocha sólida frente a interassistencialidade.

3. Atenção as intuições.

O desassediador não deve, a rigor, ser um "desprezador" das intuições e inspirações que aparecem no meio do processo. Em muitos casos, o desassédio é prejudicado em função da rigidez mental de quem recebeu uma intuição para fazer diferente ou utilizar outra abordagem, mas permaneceu imutável. Nem sempre a comunicação com os amparadores é direta e límpida (o ideal) e em certos casos a intuição é instrumento de diálogo e orientação das consciências orientadoras.

O resultado de um desassédio eficiente depende das atitudes da equipe de trabalho incluindo os seres envolvidos, sejam intra ou extrafísicos. O papel do assistente ou aspirante a desassediador é atuar como uma minipeça ajustada as diretrizes extrafísicas que possuem a visão de conjunto de toda a tarefa. Não é o projetor ou o parapsíquico que dita as normas e condutas do que deve ser feito. O desassédio bem feito é sucesso de todos.

3 Pensatas sobre desassédio

Há muitas maneiras de ver e entender o desassédio pelo parapsiquismo, pelas energias e pela fraternidade. Entre as muitas abordagens que podem ser dadas, segue abaixo 3 pensatas de Waldo Vieira que evidenciam pontos diferentes e complementares da temática desassediadora. Abaixo da pensata segue breve comentário sobre os mesmos.

Pensata 1: "A capacidade de realizar desassédios interconscienciais mais complexos exige a aplicação do autoparapsiquismo lúcido."

O assistente pode ser uma "peça" cada vez mais atuante e participativa nos desassédios. Há consciências que ficam totalmente inconscientes ou apresentando sofrível lucidez durante todo o processo. No entanto, isso está longe de ser o ideal. Quanto maior o desenvolvimento do parapsiquismo mais gabarito e potencial real para atuar em desassédios mais intensivos e de alto nível. Mas para chegar nesse outro patamar não é responsabilidade dos amparadores, pois eles não têm que dar a ninguém nenhuma capacidade. Muito pelo contrário. Esse gabarito é fruto dos esforços pessoais de quem os realiza. Nada vem de graça.

Pensata 2: "Quanto mais mentalsomática e racional seja a conscin, maiores são os seus potenciais de desassedialidade."

Apesar de contar muito com questões energéticas e parapsíquicas, as capacidades mentais são o grande diferencial no que se trata de desassédio. Afinal, o desassédio mais eficiente ou a longo prazo é o realizado por meio de informações e por todo o lado mental. A força mental também permite que a razão seja sempre predominante ao emocionalismo em geral. Quantas pessoas racionais que facilmente são rendidas por questões emocionais banais e sem importância? Ser forte mentalsomaticamente permitirá que, apesar de desassédios pesadíssimos, se mantenha a sanidade e a integridade de modo invulnerável.


Pensata 3: "Neste Planeta Terra estamos, agora, buscando aprender a vivenciar a desassedialidade interconsciencial mais ampla, inclusive cósmica, intergrupal e interplanetária multidimensional."

Entre as formas mais expressivas de desassédio está o serviço eficiente naquilo que é proposto. Há desassédios rápidos e pontuais da mesma forma que existem, até certo ponto, desassédios milenares. Seja qual for o grau de dificuldade existente, todo desassédio é válido e tem sua função dentro do processo complexo e intrincado que chamamos de evolução. Gratidão a você por ser uma das raras personalidades humanas que fazem ou que já almejam esse tipo de ação assistencial. O desassédio bem-sucedido é obra multidimensionalmente edificante.

Como se pode observar, o desassédio entre as consciências é tarefa altamente nobre, de vanguarda, e representa muito na sociedade ainda patológica em que vivemos. Desse modo, todo candidato a desassediador deve estar pronto a aprender com os erros e ir gradualmente aumentando suas capacidades gerais. A assistência é o caminho mais assertivo para a evolução consciencial e o desassédio interconsciencial está entre as grandes competências da megafraternidade. Vamos desassediar a nós mesmos e também os demais?

Este texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!

Por Alexandre Pereira.


** Não entendeu alguma palavra? - GLOSSÁRIO.

0 comentários: