ESPECIAL TENEPES

09:00:00 Administrador 0 Comments

 

3 Trafores do tenepessista. 

Os méritos do tenepessista são decorrentes de seus trafores aplicados. Desse modo, há atributos que favorecem a assistência e potencializam os resultados. Eis, por exemplo, 3 trafores que devem ser valorizados para que se consiga realizar a tenepes de forma exitosa. 

1. Intencionalidade sadia. 

Como pode uma pessoa mal-intencionada fazer assistência? Não faz. Provavelmente o maior problema dos que fazem ou almejam a tenepes são das “segundas intenções”, ou seja, querer usá-la como instrumento de se sentir superior, garantias de ter mesmo um amparador, status conscienciológico e assim por diante. Do mesmo modo, a pessoa de intencionalidade apenas assistencial (ou anti-egocêntrica se preferir), em favor dos outros, é o tipo de tenepessista mais sólido e eficiente. Você espera ganhar alguma coisa com a tenepes? 

2. Coragem.
 
Toda conduta que tenha algum caráter multidimensional necessita de coragem. Assim sendo, um tenepessista que tem medo de seres extrafísicos, medo de dar passividade ao amparador, medo de morrer repentinamente, medo de rebarba assediadora e assim por diante tem enormes complicações autoimpostas. Fazer a coragem ser maior que os temores é peça fundamental não apenas para iniciar, mas também para manter uma tenepes. Afinal, nas práticas tenepessológicas o tenepessista deve ser o assistente e não mero assistido assustado.
 
3. Disciplina.
 
A desorganização impede o avanço maior em quase todas as áreas humanas. A tenepes é a consolidação da disciplina pessoal. Praticar uma tarefa assistencial todos os dias, até o final dessa vida, requer disciplina e, sobretudo, autoabsolutismo. Caso contrário, o tenepessista ficará a margem das intempéries e contrafluxos que inviabilizam a consolidação assistencial. É preciso dizer que as maiores conquistas evolutivas e assistenciais vêm da disciplina com as pequenas coisas do cotidiano. Sua disciplina é satisfatória?
 
Esse 3 trafores fazem parte da sua rotina intrafísica? Quais outros trafores que pode auxiliar a multidimensionalidade em seus diversos propósitos?
 
 
3 Ponderações sobre Tenepes.
 
A sua postura é de tenepessista ajustado? Com o passar dos anos ficam nítidas as ações que devem ser mantidas e, principalmente, recicladas para que a tenepes tenha um progresso contínuo. Uma tarefa assistencial tende a se potencializar em função da equipe extrafísica e da postura do assistente. Eis três ponderações para a prática da tenepes.
 
1. Não existe “hoje não quero fazer tenepes”.
 
A tenepes é tarefa diária. Ou seja, se você ainda está numa condição de vacilar sobre o que realmente quer ou se tem dificuldades reais de executar as mesmas funções todos os dias deve pensar seriamente se está mesmo pronto para iniciar essa empreitada. Será que hoje eu faço tenepes? Essa pergunta não pode existir na realidade tenepessológica. Tenepes é compromisso diário, não importa se é feriado ou data comemorativa, no qual já há um compromisso firmado com o extrafísico. Um médico que falta ao plantão sem motivo está criando efeitos por vezes irremediáveis.
 
2. É o amparador que manda.
 
O tenepessista é peça indispensável nesse tipo de mecanismo assistencial. Entretanto, quem lidera e tem a lucidez e autoridade moral para conduzi-la é o amparador extrafísico. Essa não aceitação simples paralisa diversos tenepessistas que insistem em serem controladores ao tentarem fazer tudo do seu jeito. Há tenepessistas que “forçam a barra” querendo, por exemplo, escolher o perfil das consciências assistidas de acordo com sua vontade. Lembre-se que quem manda e orienta é o extrafísico. Tenepes é passividade atenta para que o extrafísico faça o que seja melhor e assertivamente de acordo com as demandas.
 
3. Tenepes é doação, não barganha.
 
A tenepes não é salvo conduto para ninguém. Se você encara a tenepes como uma estratégia “salvacionista” para si mesmo, está apenas perdendo seu tempo por uma intenção ardilosa. Há pessoas que iniciam a prática para garantir que terão amparo extrafísico,  melhor parapsiquismo ou mesmo que não parem em dimensões doentias depois da dessoma. Repetindo: a tenepes não é salvo conduto. Se você está a fim de barganhar ao invés de uma doação sincera é melhor nem começar. O tenepessista saudável vai doar seu tempo e energia em favor dos outros sem pretensão de recompensa. Quem barganha não doa, faz negócio.
 
Esses 3 pontos reforçam o compromisso assistencial contrário ao egocentrismo e as posturas de imaturidade consciencial. Um tenepessista qualificado geralmente conduz a prática de modo cooperativo e não imperativo. Saber o tamanho da própria responsabilidade alivia e regula quem está pronto para a realização da fase executiva.
 
 
3 Dicas para a tenepes.
 
A tenepes possui um intuito básico e uma metodologia funcional para ser realizada. Contudo, é sempre oportuno atentar para os detalhes, ainda que pareçam menores e pouco relevantes, para evitar problemas e complicações desnecessárias. Eis 3 dicas que merecem um olhar mais atento quanto a prática da tenepes.
 
1. Horário que não afete a lucidez.
 
Há tenepessistas que não sabem nada do que ocorre durante a tenepes porque estão sempre dormindo durante as seções. Já se ouviu até a pachorra que fazem tenepes enquanto dormem e quem nem precisam acordar. Equívoco óbvio. A passividade parapsíquica não significa perda sumária da lucidez. Para alguns praticantes o melhor é fazer longe do horário do sono e assim ter maior atenção sobre as ocorrências, intenções e acontecimentos gerais dentro do nível pessoal de paraperceptibilidade. Perder totalmente a lucidez esporadicamente faz parte do processo, mas não enquanto conduta-padrão.
 
2. Não tente mudar a técnica.
 
Mesmo a tenepes sendo simples e direta, há pessoas que acabam desvirtuando e fazendo alterações indevidas que não agregam em nada além de interferir no processo assistencial. Não raro surgem histórias de tenepessistas que praticam ouvindo música, utilizando incensos, velas e adornos semelhantes. Para os amparadores esse tipo de ação não beneficia em nada, mas, o problema está nas evocações indevidas, inconscientes, fora a falta de reciclagem pessoal, com padrões indevidos frente a atmosfera assistencial de neutralidade. Por mais bem-intencionado que o tenepessista seja, ainda está faltando discernimento quanto a maturidade parapsíquica. Você costuma fazer “negocinho” até na tenepes?
 
3. Não pense nos seus ganhos pessoais.
 
Quem faz tenepes visando os “benefícios” é vítima do próprio temperamento interesseiro. Uma obra assistencial é aquela onde não se visa continuamente os ganhos pessoais. “Quando meu parapsiquismo vai aumentar?”. “Quando vou ter ofiex?”. “Já faço tenepes a tantos anos e os ganhos não estão aparecendo”. Certa ansiedade e pressa quanto ao autodesenvolvimento pode ser um ponto de divergência com a disponibilidade assistencial, por mais paradoxal que possa parecer. Realizar uma prática como a tenepes vidrado nos ganhos é interassistência ou autopremiação? 

Há uma linha tênue entre fazer ajustes de acordo com o estilo pessoal e a descaracterização da tarefa energética. Quem faz uso da criticidade cosmoética tende a se sair melhor nos gargalos evolutivos.
 
 
3 Pensatas sobre tenepes
 
As 3 pensatas a seguir foram tiradas do Léxico de Ortopensatas, de Waldo Vieira, e exemplifica vários pontos relevantes no processo tenepessológico.

Pensata 1: "A agilidade da resolução de questões contidas nos pedidos da tenepes depende de haver plantão da equipex, além do mérito do assistente, do assistido e do solicitante."
 
Essa pensata exemplifica bem que tenepes não é milagrosa e nem cura-tudo. Ou seja, muito do resultado e da agilidade assistencial tem relação direta com os envolvidos e diversos fatores. O maximecanismo assistencial é provavelmente o sistema mais meritocrático que conhecemos justamente por não privilegiar aspectos secundários e até triviais como status, fama, fortuna ou mesmo ideologias. Agora, quando todas as peças estão engrenadas cosmoeticamente, a tenepes funciona de modo cada vez mais ágil e todos são beneficiados, especialmente o assistido que tem merecimentos.

Pensata 2: "Não queira selecionar o assistido na tenepes. Essa é tarefa específica do amparador extrafísico de função."
 
Na ânsia de querer intervir de modo assistencial, o tenepessista pode ter atitudes indevidas ainda que bem-intencionado. Desse modo, importa essa ressalva de que são os amparadores que escolhem e distribuem o processo assistencial. Eis mais uma evidência de que começar a tenepes para ajudar uma pessoa específica, como familiar doente por exemplo, é um erro crasso. Tenepes é espécie de mini-ambulatório público e não quarto particular de atendimento. Desse modo, não cabe ao tenepessista escolher qual linha ou tipo de indivíduo que vai ajudar. Muito ajuda quem pouco atrapalha.
 
Pensata 3: "No universo da tenepes, se não houver afinidade com o assistido, você não terá capacidade para assistir."
 
Na vida humana, é mais fácil ajudar com algo que somos afins do que com questões indiferentes ou antagônicas. Com a tenepes isso fica ainda mais explícito. Desse modo, com o tempo o tenepessista pode, de acordo com seu temperamento, gostos e trafores, ir se especializando em determinados tipos de assistidos assim como um médico especialista. Essa capacidade tende, com os anos, a se lapidar, ampliar e até mesmo mudar em função das reciclagens íntimas e com as mudanças do pensene-padrão.
 
O saldo atual da tenepes é positivo?
 

 Este texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente!
 
Por Alexandre Pereira.
  
** Não entendeu alguma palavra? - GLOSSÁRIO.

0 comentários: